Total de visualizações de página

domingo, 30 de janeiro de 2011

Flamengo vence mais uma

Fla vence o clássico, elimina o Vasco da TG e aumenta crise na Colina
Em noite inspirada, Thiago Neves comanda a equipe rubro-negra na vitória por 2 a 1.

Gigante da Colina faz o pior início de campeonato de sua história
Por Thiago Fernandes Rio de Janeiro

O Flamengo venceu o Vasco por 2 a 1 e reassumiu a liderança do Grupo A da Taça Guanabara. De quebra, eliminou o Gigante da Colina do torneio. Deivid e Thiago Neves marcaram os gols que fizeram a equipe da Gávea chegar aos 12 pontos na competição. Romulo descontou para o time cruzmaltino, que segue sem pontuar e está em oitavo lugar.

Com o resultado, o Vasco não só cumprirá tabela nos últimos três jogos da Taça Guanabara, como conseguiu registrar uma marca negativa. Com quatro derrotas em quatro jogos, esse é o pior início de campeonato de sua história.

O mau momento cruzmaltino ficou claro pelo pouco público nas arquibancadas designadas aos torcedores do Vasco. Mesmo sem lotar a sua parte, os flamenguistas compareceram em número muito maior. Os poucos vascaínos que estavam no estádio elegeram um novo vilão. Ramon foi vaiado toda vez que tocava na bola e deixou o gramado fazendo gestos obscenos para a torcida.

Na próxima rodada, o Flamengo encara o Nova Iguaçu, na quarta-feira, às 21h50 (horário de Brasília). O jogo será disputado no Engenhão. No dia seguinte, o Vasco recebe o Volta Redonda, em São Januário, às 19h30m.

Thiago Neves compensa estreia discreta

O jogo começou com as duas equipes mostrando muita vontade, mas pouca inspiração para armar as jogadas. Mais bem armado, o Flamengo não conseguia vencer a marcação exercida pelo meio-campo do Vasco. Por sua vez, o clube da Colina esbarrava em suas próprias limitações na criação.

Com isso, os primeiros vinte minutos de jogo foram monótonos, com poucas chances de gol. Com mais posse de bola, o Flamengo conseguia apenas arriscar de fora da área. Vander, Egidio e Maldonado tentaram surpreender Fernando Prass assim, mas sem sucesso.

Mas bastou ao Fla fazer sua primeira tentativa na área cruzmaltina para chegar ao gol. Egídio cruzou da esquerda para Thiago Neves. O meia conseguiu evitar que a bola saísse pela linha de fundo e tocou para trás. Leonardo Moura encheu o pé e chutou cruzado. A bola, no entanto, encontrou Deivid no meio da área. O atacante dominou e bateu bonito para abrir o marcador.

Após o gol, o jogo voltou a ficar morno. O Vasco tentou buscar o empate e até dominou as ações durante um tempo, mas faltava criatividade ao time. Dedé, após cobrança de falta, cabeceou por cima da trave. Fagner, em boa jogada individual, invadiu a área, mas chutou fraco. E parou por aí.

O Flamengo parecia satisfeito com o resultado parcial e não se arriscava muito. Mesmo assim, conseguia ser mais perigoso do que o rival. Principalmente, porque Thiago Neves parecia querer apagar a atuação discreta em sua estreia. O meia, que jogou pela direita, levava a defesa cruzmaltina à loucura. No fim do jogo, ele recebeu na entrada da área, driblou Anderson Martins e acertou as redes pelo lado de fora.

Todo o esforço de Thiago seria recompensado em seguida. Willians fez bonito lançamento no meio da defesa para o meia, que deu um chapéu em Fernando Prass e mandou para o fundo do gol.

Na saída para o intervalo, a torcida do Flamengo, em muito maior número, não perdoou: “Ão, ão, ão, Segunda Divisão”, gritavam.

Na raça, Vasco desconta

O segundo tempo começou agitado. Logo nos primeiros minutos, Vander chutou forte de fora da área, mas Fernando Prass defendeu. No rebote, Deivid mandou uma bomba e o goleiro vascaíno fez ótima defesa. Na resposta, Eduardo Costa cabeceou próximo ao gol, após cruzamento da direita.

O ímpeto ofensivo das duas equipes diminuiu muito. Precisando do resultado, o Vasco ficava mais com a bola mas, assim como no primeiro tempo, não conseguia criar jogadas de perigo. Para tentar resolver esse problema, Gaúcho colocou Misael no lugar de Allan. No mesmo momento, trocou Ramon, muito vaiado pelos torcedores, por Marcio Careca. Irritado, o lateral fez gestos obscenos em direção à torcida.

As substituições deram um novo ânimo ao Vasco. Mesmo sem ser brilhante, o clube da Colina passou a criar um pouco mais e fez o goleiro Felipe aparecer. Jeferson recebeu na direita e bateu cruzado pelo alto. O arqueiro rubro-negro fez uma defesa difícil, salvando o Flamengo. O time rubro-negro parecia acomodado em campo e não conseguia mais criar muitas jogadas de perigo, principalmente após a saída de Thiago Neves no início da segunda etapa. .

O Vasco se animou e avançou ainda mais no terreno. E conseguiu chegar ao gol. Após cruzamento na área, Marcel tentou um voleio, mas a zaga tirou em cima da linha. A bola sobrou para Romulo, que só empurrou para o fundo do gol.

O gol animou a torcida vascaína que passou a incentivar. Empolgado, o time tentava desesperadamente o gol de empate, que quase veio após ótima jogada de Márcio Careca. O lateral tabelou com Eduardo Costa e cruzou para a área. Patric, que entrara minutos antes no lugar de Eder Luis, cabeceou tirando tinta do travessão. O esforço, contudo, foi insuficiente para a equipe chegar ao empate e ao seu primeiro ponto na competição.

VASCO 1 X 2 FLAMENGO Fernando Prass, Fagner, Dedé, Anderson Martins e Ramon (Márcio Careca); Eduardo Costa, Romulo, Allan (Misael) e Jeferon; Eder Luis (Patric) e Marcel. Felipe, Leo Moura, Welinton, David e Egídio; Maldonado, Willians, Renato Vander (Fierro) e Thiago Neves (Marquinhos); Deivid (Wanderley)
Técnico: Gaúcho Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Gols: Deivid, aos 22 do primeiro tempo, para o Flamengo. Thiago Neves, aos 44 do primeiro tempo, para o Flamengo. Romulo, aos 30 do segundo tempo, para o Vasco.
Cartões amarelos: Anderson Martins, Marcel, Fagner e Fernando Prass (Vasco). Renato e Maldonado (Flamengo)
Data: 30/1/11. Local: Engenhão. Hora:19h30m (horário de Brasília). Árbitro: Marcelo de Lima Henrique. Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés e Luiz Antônio Muniz de Oliveira

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/campeonatos-estaduais/campeonato-carioca/noticia/2011/01/fla-vence-o-classico-elimina-o-vasco-da-tg-e-aumenta-crise-na-colina.html

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Nélio, um jogador com a cara do Flamengo


Foto: Nélio vestiu a camisa do Mengão com muita dedicação | Foto: Divulgação

POR FRED GOMES

Rio - Raçudo, driblador, negro e de sorriso fácil. Com a cara do Flamengo, como todos sempre falaram, o meia-atacante Nélio foi um dos garotos que conquistaram a Copa São Paulo de Futebol Júnior em 1990. Na terça-feira, Negueba, Adryan, Muralha e companhia levaram o clube ao bicampeonato.

Vale destacar, porém, que a juventude não foi empecilho para ele ser rapidamente alçado ao time profissional. Promovido em 1988, ele se firmou na equipe de cima em 90, quando conquistou a Copa do Brasil, ao lado de Alcindo, Renato Gaúcho e outros.

Em 1992, apesar de ter apenas 21 anos, o Marreco, como era conhecido, parecia um veterano, talvez pela famliaridade com o Manto Sagrado, que envergou desde garoto. Prova disso foi a excelente participação na conquista do pentacampeonato brasileiro. Uma pena que ele se contundiu na primeira partida da decisão contra o Botafogo, vencida pelo Rubro-Negro por 3 a 0. Ele se machucou em jogada acidental com o lateral Odemílson, do rival.

Em 342 partidas dedicadas ao time profissional do Mengão, Nélio marcou 71 gols e conquistou um Brasileiro (92), uma Copa do Brasil (90) e dois Cariocas (91 e 96).

Com raça, amor e paixão ao Manto, Nélio se tornou ídolo da Nação Rubro-Negra e fez parte de uma geração inesquecível, que contou com Marcelinho Carioca, Djalminha, Paulo Nunes, Júnior Baiano e Rogério. Parabéns ao Marreco.

Fonte: http://odia.terra.com.br/portal/ataque/flamengo/html/2011/1/campeao_copinha_de_90_nelio_faz_40_anos_140236.html

Nélio da Silva Melo

Biografia

Tido como craque no início da Década de 90, Nélio surgiu nas divisões de base do Flamengo em 1988, junto com uma safra de jogadores importantes como Paulo Nunes, Júnior Baiano, Marcelinho Carioca e Djalminha. Atuando como profissional na equipe do Flamengo, Nélio participou de importantes conquistas do clube, como a Copa do Brasil de 1990 e o Campeonato Brasileiro de 1992.

Ele estreou no Flamengo com apenas 17 anos, na goleada do Rubro-negro sobre o Goytacaz RJ por 6 a 0, no dia 28 de maio de 1988, e já em seu segundo jogo entre os profissionais, dia 16 de setembro de 1990, decidiu o seu primeiro Flamengo e Vasco: 1a 0 para o clube da Gávea, com gol do jovem apoiador de pernas arcadas.

Em 1995, seu passe foi cedido ao Guarani de Campinas, mas acabou retornando ao Flamengo no mesmo ano. Em 1997, Nélio foi novamente descartado dos planos da diretoria rubro-negra, tendo sido negociado com o Fluminense. O jogador não agradou aos tricolores e, no início da temporada seguinte, foi transferido ao Atlético Paranaense.

Após conquistar o título de campeão paranaense no primeiro semestre de 1998, Nélio voltou ao Flamengo, mas não conseguiu ser reintegrado ao clube. Nos anos seguintes, trocou sucessivamente de clubes, que incluíram o Ituano, Paraná Clube, Americano RJ, Botafogo SP e até mesmo um clube da Hungria, o Haladás. Em 2006, Nélio esteve no elenco do Sport Club Guanabara, clube da segunda divisão do futebol fluminense. Ainda vagando pelo futebol, o jogador assintou com o Pinheiros e em 2008 defendeu o modesto Ypiranga.

Recentemente Nélio está de volta ao Flamengo, só que agora, pelo time de Showbol. Ao lado de feras como Djalminha, Zinho, Luís Antônio e Gélson Baresi, o ex-jogador disputa o torneio Rio-São Paulo da modalidade pelo Fla.

Dados
Nome Completo: Nélio da Silva Melo
Cidade: Rio de Janeiro (RJ)
Nascimento: 26 de janeiro de 1971
Posição: Meia Atacante
Jogos pelo Fla: 342
Gols pelo Fla: 71

Histórico
Anos Time
1988-1997 Flamengo
1997 Fluminense
1998 Atlético Paranaense
1998 Flamengo
1999 Ituano
1999 Paraná
2000 Haladás
2001 Botafogo SP
2002-2005 Haladás
2006 Guanabara
2007 Pinheiro
2008 Ypiranga

Títulos
Flamengo
Campeonato Carioca: 1991, 1996
Taça Guanabara: 1995, 1996
Taça Rio: 1991, 1996
Copa do Brasil: 1990
Campeonato Brasileiro: 1992
Outros Clubes
Atlético-PR
Campeonato Paranense: 1998
Estatísticas
Ano Jogos Gols Marcados Assistências Cartão Amarelo Cartão Vermelho
1988 1 0 - - -
1989 0 0 - - -
1990 21 7 - - -
1991 55 9 - - -
1992 23 9 - - -
1993 66 19 - - -
1994 49 12 - - -
1995 35 4 - - -
1996 51 10 - - -
1997 26 1 - - -
1998 15 0 - - -
Total 342 71 - - -

Retirado de "http://www.flamengo.com.br/flapedia/N%C3%A9lio_da_Silva_Melo"

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Flamengo é Bicampeão

Festa rubro-negra no Pacaembu: Fla derrota Bahia e conquista a Copinha
Após 21 anos de jejum, time carioca leva segundo título da competição. Tricolor tem Dudu expulso e perde controle do jogo ao tomar o segundo gol

Por Carolina Elustondo
São Paulo

Depois de 21 anos, o Flamengo volta a fazer festa no dia do aniversário de São Paulo. O Pacaembu, tomado de vermelho e preto, comemorou o título do time carioca na Copa São Paulo de Futebol Júnior, após a vitória por 2 a 1 sobre o Bahia, na manhã desta terça-feira. O Tricolor chegou a empatar e até ter chances de vencer, mas cometeu um pênalti na segunda etapa e abriu o caminho para o Rubro-Negro, que passou a dominar o jogo e poderia ter ampliado o placar. Com as presenças da presidente Patrícia Amorim e do técnico Vanderlei Luxemburgo como torcedores ilustres, a equipe carioca conquistou seu segundo título na história da competição - o primeiro foi em 1990, em um time que tinha Marcelinho Carioca, Djalminha, Paulo Nunes, Júnior Baiano e Nélio. Os nomes de hoje são César, Negueba, Frauches, Rafinha, Lucas e Adryan.

Sol, suor e empate

O sol resolveu aparecer com força no aniversário de São Paulo e tirou cada gota de suor dos jogadores e dos torcedores. Empurrado pela torcida que era maioria e encheu o Pacaembu, o Flamengo encontrou nos primeiros minutos um Bahia nervoso. E logo aproveitou. Aos sete minutos, o zagueiro Frauches pegou uma sobra na área e, de pé esquerdo, soltou a bomba e acertou a rede de Renan, sem chances para o goleiro: 1 a 0 para o Rubro-Negro e festa da torcida (assista ao vídeo). A presidente do clube carioca, Patrícia Amorim, e o técnico do time principal, Vanderlei Luxemburgo, gostavam do que viam.

Mas o técnico tricolor, Laelson Lopes, não estava nada satisfeito com o desempenho de sua equipe. E foi ousado. Ainda aos 11 minutos da primeira etapa, fez uma mudança: tirou o lateral João Marcos, que sentia dores, e colocou Valson, mais ofensivo, para tentar chegar ao empate.

Aos poucos a mudança surtiu efeito. O Flamengo até chegava mais, mas perdia a bola pedindo faltas. O Bahia começou a incomodar o goleiro César. Até que, aos 30 minutos, conseguiu um pênalti após Marllon acertar um chute no rosto de Rafael. Festa dos torcedores tricolores, que estavam em menor número, mas muito animados. O próprio Rafael anotou com uma cobrança alta, bem colocada, e registrou o empate: 1 a 1. Mas, ao correr para comemorar perto do tobogã, onde estavam os torcedores do Bahia, o menino pulou a placa de publicidade e caiu na mureta da escada do vestiário. Precisou de atendimento médico, mas voltou ao jogo (assista ao vídeo).

Foi a vez de o Flamengo sentir o impacto do gol e se enrolar em campo. César seguiu sendo exigido pelo ataque do Bahia. Mas, aos poucos, o time carioca voltou a criar boas chances. E, mais uma vez, a cair demais pedindo falta, o que não comovia a arbitragem. Entre chutes de longe e jogadas individuais de Adryan, o Rubro-Negro não conseguiu marcar mais um. E o Bahia, um pouco mais relaxado, guardou energia para o segundo tempo. Mas ainda teve uma grande chance nos minutos finais. Em cobrança de falta rasteira de Brendon, quase César não alcança a bola.

Segundo tempo

O Bahia voltou tranquilo e disposto a virar o jogo. Brendon obrigou César a deitar para fazer uma defesa importante. O Flamengo ainda tentava entrar no ritmo e desperdiçou uma cobrança de falta com Negueba. O time carioca, sem uma boa atuação deste que é considerado o principal atleta do grupo, era afobado e tinha dificuldades de trocar passes nos contra-ataques. Bem mesmo estava César, defendendo bolas muito difíceis, como a que Filipe mandou com muita força.

Em um lance individual, Lucas sofreu falta dura de Dudu e precisou ser substituído pouco depois. O jogador do Bahia poderia ter sido expulso, mas recebeu amarelo. Só que o vermelho que não veio naquele momento apareceu aos 23 minutos. O mesmo Dudu puxou a camisa e derrubou na área Thomas, que entrou na vaga de Lucas. O atleta do Bahia foi mais cedo para o chuveiro. Negueba bateu com tranquilidade, no canto alto direito do gol de Renan: 2 a 1 para o Flamengo e festa da torcida rubro-negra nas arquibancadas (assista ao vídeo).

O gol e a expulsão deram ao time carioca o ânimo e a confiança que estavam faltando. A partir daí, o Rubro-Negro passou a bombardear a defesa do Bahia com várias oportunidades em velocidade, principalmente com Thomas. Negueba, que não vinha bem, também cresceu na partida. O Bahia, com um a menos e sofrendo também com o calor, tinha muita dificuldade de segurar o adversário, mas conseguia na medida do possível.

Mesmo com o placar apertado, a torcida do Flamengo passou a gritar "olé' aos 40 minutos do segundo tempo. A festa já começava nas arquibancadas. Rafinha, substituído nos minutos finais, não foi tão decisivo, mas foi ovacionado pela torcida pelo desempenho ao longo da competição.

No minuto final, o Bahia calou a torcida do Flamengo por um instante: Laercio pegou uma sobra pela direita, sozinho na área, e chutou para o gol. César espalmou e salvou o título do Fla. O goleiro ainda faria outra defesa em chute de longe de Filipe. Depois do sufoco, a torcida do Flamengo soltou o grito de "é campeão"!

FLAMENGO 2 X 1 BAHIA Cesar; Alex, Marllon, Frauches e Anderson; Muralha, Rafinha (China), Lorran e Adryan (Pedrinho); Negueba e Lucas (Thomas). Renan; João Marcos (Valson), Dudu, Everton e Laércio; Anderson, Fernando (Rodrigo), Brendon (Mansur) e Filipe; Fábio e Rafael.
Técnico: Paulo Henrique Técnico: Laelson Lopes
Gols: Frauches, aos sete minutos, e Rafael (de pênalti), aos 30 minutos do primeiro tempo; negueba (de pênalti), aos 23 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Frauches, Marllon, Anderson (Flamengo); Filipe (Bahia). Vermelho: Dudu (Bahia)
Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP). Data: 2501/2011. Árbitro: Vinicius Furlan. Auxiliares:David Botelho Barbosa e Marcio Jacob .

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/Copa-SP-de-futebol-junior/noticia/2011/01/festa-rubro-negra-no-pacaembu-fla-derrota-bahia-e-conquista-copinha.html

Formando Vencedores



Flamengo é bicampeão da Copa São Paulo de JunioresRubro-negro bate o Bahia por 2 a 1, no Pacaembu, e leva título da Copinha depois de 21 anos

Direto de São Paulo (SP)

Time vai ficar na história do clube

Esqueça o calor, a pressão por jogar uma final que o clube não disputava há 21 anos e toda a expectativa em torno dessa decisão. Além, é claro, do forte adversário, o Bahia. Nada disso tirou a vontade de vencer dos meninos da Gávea. Nada disso impediu-os de correr durante os 90 minutos da final da Copa São Paulo, contra o Bahia, nesta terça-feira (25.01). Nada parecia poder tirar deles este título, que não ia para o Rubro-negro há 21 anos.

E não tirou mesmo. Empurrados por milhares de torcedores que lotaram o Pacaembu, que mais parecia um Maracanã ou um Engenhão, os garotos do sub-18 do Flamengo bateram o Tricolor por 2 a 1 e coroaram uma campanha irretocável com uma conquista histórica, de maneira invicta. O torcedor pode comemorar: o Flamengo é o novo campeão da Copa São Paulo de Juniores. E agora é ficar na torcida para que este seja o primeiro de muitos títulos para o futebol rubro-negro em 2011.

Fla sai na frente, mas sofre empate
O jogo começou corrido, disputado, como já se esperava por ser uma final. Mas o Flamengo conseguiu sair na frente ainda cedo. Logo aos sete minutos, Anderson fez bela jogada pela esquerda e chutou forte. A bola desviou na zaga e foi para escanteio, com aplausos da torcida. Mal sabiam eles que a festa iria ficar ainda maior após a cobrança. Bola na área, Lucas ajeita de cabeça e o capitão Frauches chuta forte sem defesa para o goleiro: 1 a 0.

O gol mudou um pouco o panorama do jogo. Com a vitória parcial, o Fla passou a ter mais posse de bola, tentando controlar o resultado, enquanto o Bahia já começou a se lançar ao ataque buscando o gol de empate. Mas quem quase marcou de novo, aos 27, foi o Flamengo, em nova boa jogada de Anderson, que invadiu a área e chutou forte, tirando tinta da trave do Bahia. Três minutos depois, o Bahia chegou com perigo, mas Cesar fez grande defesa.

Aos 30, no entanto, não deu para o arqueiro rubro-negro. O juiz assinalou pênalti em lance duvidoso, em que a bola bateu na mão do zagueiro Marllon e o Tricolor empatou em cobrança de Rafael. O gol não desanimou a garotada da Gávea, que seguiu com o controle do jogo. Aos 42, Luis Felipe quase marcou em bonito chute de fora da área. O Bahia também teve boa chance, em cobrança de falta. O placar, porém, seguiu empatado ao final da primeira etapa.

Pênalti garante o título ao Fla
A etapa final começou com domínio do Bahia. Buscando virar o placar, o time tricolor levou muito perigo à defesa rubro-negra, que conseguiu evitar um segundo gol graças às grandes defesas do goleiro César. A aplicação tática da equipe, no entanto, deu resultado. Com uma defesa forte e saindo nos contra-ataques, o time foi recompensado aos 22 minutos - pênalti em cima de Thomas, que havia acabado de entrar no lugar de Lucas.

Negueba bateu e fez: 2 a 1, com direito à expulsão do zagueiro tricolor. Euforia em campo, na comemoração, e mais ainda nas arquibancadas. Era o Flamengo ainda mais próximo do título. Com um a mais em campo e a vantagem no placar, o time passou a jogar de forma inteligente, tocando a bola e buscando garantir o resultado, não deixando de buscar o terceiro gol, para matar o jogo de vez.

Mas nem precisou. O goleiro César fez duas outras grandes defesas e garantiu o título. Bicampeonato invicto para o Rubro-negro.

FLAMENGO 2 X 1 BAHIA

FLAMENGO: Cesar; Alex, Marllon, Frauches e Anderson; Muralha, Lorran, Negueba e Adryan (Pedrinho 24’/2°T); Rafinha (China 45’/2°T) e Lucas (Thomas 18’/2°T)
Técnico: Paulo Henrique

BAHIA: Renan; João Marcos (Valson 10’/1°T), Eduardo, Everton e Laércio; Anderson, Fernando (Joelinton 29’/2°T), Felipe, Brendon (Rodrigo 29’/2°T), e Roni; Rafael
Técnico: Laelson Lopes

GOLS: Frauches 7’/1°T (Fla), Rafael 30’/’°1T (Bahia), Negueba 22’/2°T (Fla)

CARTÕES AMARELOS: Marllon, Frauches e Anderson (Fla) Eduardo, Felipe (Bahia)

CARTÃO VERMELHO: Eduardo (Bahia)

LOCAL: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)

ÁRBITRO: Vinícius Furlan (SP)

ASSISTENTES: Botelho Barbosa e Marcio Jacob (SP)

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=11831

domingo, 23 de janeiro de 2011

Flamengo vence outro América


Renato (encoberto) recebe abraços dos colegas
após abrir o placar (Foto: Fernando Maia/Ag O Globo)

Sábado, 22/01/2011 - 17h00 Édson Passos - Rio de Janeiro, RJ América-RJ 1 x 3 Flamengo

Fla investe pela direita e derruba o América em seu caldeirão: 3 a 1
Em tarde de forte calor, Rubro-Negro concentra jogadas no setor, vence a segunda na Taça Guanabara e mantém a liderança do Grupo A
por GLOBOESPORTE.COM

Ronaldinho Gaúcho, Thiago Neves e Bottinelli ainda não estrearam. Diante da ausência de seus principais reforços para o setor ofensivo, o Flamengo encontrou uma via alternativa para derrotar o América por 3 a 1, em Edson Passos, pela segunda rodada da Taça Guanabara. Em uma tarde de sábado de muito calor no 'caldeirão do Diabo', o Fla investiu nas jogadas pela direita e conquistou mais uma vitória no Carioca 2011. Renato Abreu, David Braz e Deivid marcaram para o Rubro-Negro. Leandrinho fez o gol de honra do time da casa.

Com o triunfo deste sábado, Fla mantém a liderança do Grupo A, com seis pontos. E volta a campo na próxima quarta-feira, quando enfrenta o Americano em Macaé (19h30m de Brasília). Com apenas um ponto na chave, o América é o sexto colocado e recebe o Resende em Edson Passos, no mesmo dia (17h).

Ainda sem poder contar com o novo trio ofensivo, o treinador Vanderlei Luxemburgo fez apenas uma alteração em relação ao time que iniciou a partida contra o Volta Redonda, na quarta-feira. Fierro, que precisou ir ao Chile para resolver problemas particulares, foi substituído por Marquinhos.

E o meia, atuando aberto pela direita, deu mais movimentação ao time na frente. E criou a primeira chance da equipe, quando cruzou para Deivid aos seis minutos. O atacante cabeceou para fora, pressionado pela marcação.

Cinco minutos depois, o atacante voltou a brigar com os marcadores. E levou a pior. Foi atingido na boca pelo pé direito do zagueiro Ronan. Sangrando bastante, o atacante teve que deixar o campo para ser atendido. E nem viu direito o primeiro gol da partida. Em cobrança de falta ensaiada, Léo Moura rolou para Renato Abreu, que cobrou colocado, longe do alcance do goleiro Mota, que pulou para o lado errado.

Com a vantagem e diante do forte calor em Edson Passos, o Fla procurou manter a posse de bola, concentrando as jogadas pelo lado direito, com as avançadas de Léo Moura e os deslocamentos de Marquinhos. E controlando o adversário, que, até aos 35 minutos, pouco ameaçou a meta de Felipe.

E pela direita, o Fla aumentou a vantagem aos 32. Marquinhos sofreu falta, que Renato Abreu cobrou sobre a área. O zagueiro David Braz se antecipou ao goleiro Mota e cabeceou para a rede. O caminho rubro-negro era mesmo pelo setor direito. Marquinhos arrancou aos 35 e cruzou para Deivid, que completou mal, mandando para fora. O 2 a 0 no placar minimizou a irritação dos torcedores com o camisa 9.

Quem arrancou aplausos dos rubro-negros foi o goleiro Felipe, que fez linda defesa em cabeçada de Felipe Adão aos 37 (assista no vídeo ao lado). O novo goleiro do Fla voltou a ser exigido no último lance do primeiro período, defendendo firme uma conclusão de meia-virada de Adão.

Com alterações nas duas laterais para o segundo tempo (Josimar e Felipe Assis nos lugares de Edson e Bruno Santos, respectivamente), o América tentou melhorar a marcação e reagir. Mas foi o Flamengo quem voltou a balançar a rede. E de novo graças a um lance pela direita. Vander cruzou e encontrou Deivid na pequena área. O atacante completou de chapa e fez o terceiro do Fla.

Com a boa vantagem e desgastado pelo calor, o Rubro-Negro reduziu o ritmo. Já o time vermelho mostrou disposição para reduzir o prejuízo. E conseguiu, usando a mesma arma do Flamengo: uma jogada pela direita. Aos 22, Hugo recebeu livre e centrou. Felipe Adão disputou pelo alto com a zaga, e a bola sobrou para Leandrinho, que, diante do goleiro do Fla, cabeceou para a rede.

Diante da animação do adversário, Vanderlei Luxemburgo decidiu reforçar a marcação e trocou um meia-atacante (Vander) por um zagueiro (Ronaldo Angelim). E um atacante (Deivid) por um volante (João Vítor).

O que fez o Fla cadenciar ainda mais o jogo no caldeirão. E deixar o tempo passar para garantir mais três pontos antes da estreia de Ronaldinho Gaúcho com a camisa rubro-negra.

No estádio Raulino de Oliveira, também pela Chave A, o Boavista derrotou o Volta Redonda por 1 a 0, gol de Frontini.

américa 1 x 3 flamengo Mota, Edson (Josimar), Victor, Ronan e Bruno Santos (Felipe Assis); Ives, Rodolpho Fukamati, Luiz Araújo e Leandrinho (Wellington); Hugo e Felipe Adão. Felipe, Léo Moura, Welligton, David Braz e Egídio; Fernando, Willians, Marquinhos (Wanderley) e Renato Abreu; Vander (Ronaldo Angelim) e Deivid (João Vítor).
Técnico: Gilson Gênio. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.
Gols: Renato Abreu, aos 11 minutos do primeiro tempo; Daivd Braz aos 32; Deivid, aos seis do segundo tempo; Leandrinho, aos 22
Cartões amarelos: Wellington (FLA), David Braz (FLA)
Estádio: Estádio Giulite Coutinho, em Edson Passos (RJ). Data: 22/01/2011. Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca. Auxiliares: Ediney Guerreiro Mascarenhas e Marco Aurélio dos Santos Pessanha. Renda: R$ 153.870. Público: 7.832 (presentes) / 6.812 (pagantes)

sábado, 22 de janeiro de 2011

Comemoração merecida



Flamengo venceu o Desportivo Brasil na semifinal

Jogadores do time que vai decidir a Copa São Paulo na terça-feira são só alegria com a vitória na semifinal
Da equipe do site oficial

Moda entre os jogadores profissionais, o Twitter também está fazendo sucesso com a garotada da base rubro-negra. Depois da classificação para a final da Copa São Paulo, conquistada neste sábado (22.01), os jovens talentos da Gávea postaram mensagens de comemoração e de agradecimento ao apoio dos torcedores em seus perfis no site de microblogging.

Um dos que mais festejaram foi o atacante Thomas. O camisa 16, que tem cinco gols na Copinha (todos marcados na goleada por 7 a 1 sobre o Gurupi), entrou na etapa final da semifinal, contra o Desportivo Brasil, e foi o primeiro rubro-negro a cobrar na decisão por pênaltis. Bateu para fora e sofreu até poder vibrar com a classificação.

"Quase matei vocês do coração com aquele pênalti, né? Mas o importante é que estamos na final, graças a Deus. Obrigado pelo carinho de todos. Estamos muito felizes, mas sabemos que ainda não ganhamos nada e que a final será muito difícil", disse.

O zagueiro Fabio Luciano, capitão do pentatri estadual rubro-negro (2007 a 2009), também twitteiro, escreveu mensagens de apoio à garotada em seu perfil. Ele deu os parabéns a Thomas e Anderson, além de rasgar elogios à esta geração, que foi campeã carioca juvenil de maneira invicta em 2010.

"Parabens ao meninos do Flamengo pela classificacao a final da Taca SP. Uma geração promissora e que já conhece o peso de vestir essa camisa", afirmou.

A decisão da Copinha é na próxima terça-feira (25.01), aniversário de 457 anos da cidade de São Paulo. O Flamengo aguarda o adversário que virá do confronto entre América-MG e Bahia. A bola rola às 10 horas no Pacaembu.

Confira a lista de Twitteiros do time rubro-negro:

@aleexsantos02
@negueba_36
@muraha08
@20rafinha
@lucassouza92
@adryantavares
@michellorran07
@vitinhofla93
@mattheus7
@yguinhol9
@mborges18
@andeerson92

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=11805

Iniciativa exemplar



Show no Rio tenta ajudar ídolo do Fla nos anos 50 e 60

Ser campeão do mundo é algo que acompanha um jogador para sempre. Mas ter o título mais importante do futebol no currículo não é garantia de um futuro tranquilo. Profissionais de um tempo em que os astros do futebol não ganhavam os salários de hoje, alguns campeões das Copas de 58, 62 e 70 vivem hoje sem luxo. E o caso mais grave é o de Moacir, integrante da seleção que deu ao Brasil o seu primeiro título mundial, na Suécia.

Reserva de Didi em 58, o ex-jogador do Flamengo, aos 74 anos, vive hoje em Guaiaquil (Equador) e enfrenta dificuldades financeiras para se tratar de um câncer de próstata, que o impede de trabalhar em uma escolinha de futebol para jovens na cidade equatoriana.

Para tentar melhorar a situação financeira do campeão mundial, um grupo de amigos organizou um show em seu benefício no Rio de Janeiro, que será realizado na próxima quarta-feira (dia 26). Moacyr Luz, Abel Duerê, Pedro Hollanda, Laudir de Oliveira e outros artistas vão se apresentar de graça a partir das 19h no Oi Futuro Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 54). Toda a arrecadação será destinada a Moacir.

Segundo um dos organizadores, o cineasta José Carlos Asbeg, o evento integra uma campanha para que o Congresso Nacional e o Governo Federal agilizem a aprovação de um projeto de lei que concede aposentadoria aos campeões mundiais. Os atletas de 58 e 62 receberiam ainda uma premiação, “prometida desde 2008 e até agora não liberada”, segundo Asbeg, diretor do filme “1958 – O ano em que o mundo descobriu o Brasil”.

- Nossos craques precisam de homenagens em vida e não depois de mortos – afirma.

Nascido em São Paulo em 18 de maio de 1936, Moacir Claudino Pinto defendeu o Flamengo de 1956 a 62, formando no Rubro-Negro um ataque poderoso com Joel, Dida e Zagallo (todos campeões mundiais com ele em 58). Em 62, foi atuar no River Plate. No mesmo ano, defendeu o Peñarol. Em 63, chegou ao Equador, onde jogou pelo Everest e pelo Barcelona de Guaiaquil. Desde então, vive no país sul-americano.

Moacir defendeu a seleção brasileira em seis jogos oficiais, com dois gols marcados.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/platb/memoriaec

Moacir Claudino Pinto, o Moacir foi jogador do Flamengo de 1956 até 1962, nesses 7 anos disputou 237 jogos e marcou 59 gols sendo o 47º na lista de maiores artilheiros do Flamengo. Em sua passagem pelo clube o principal título conquistado foi Torneio Rio-São Paulo de 1961. Moacir chegou a Seleção Brasileira pela primeira vez em 1957 e disputou setes jogos com a amarelinha tendo marcado dois gols. Ainda pela Seleção foi campeão do mundo na Copa do Mundo de 1958, mas não chegou a jogar.

Dados
Nome Completo: Moacir Claudino Pinto
Posição: Atacante
Dia do Nascimento: 18 de Maio de 1936
Nascimento: São Paulo (SP)
1° jogo: 24/11/1956 (Flamengo 3 x 1 Bangu)


Histórico
Anos Time
1956-1962 Flamengo
1962 River Plate
1962-1963 Peñarol
1963-1964 Everest FC
1964-1966 Barcelona Guayaquil
1957-1960 Seleção Brasileira

Títulos
Flamengo
1957
Troféu Almana Idrotts Klubben
Troféu Ponto Frio
Taça Brasília
1959
Torneio Hexagonal do Peru
1961
Torneio Rio-São Paulo
Torneio Octogonal de Verão
Outros Clubes
Seleção Brasileira
Copa Roca: 1957
Copa do Mundo: 1958
Copa Atlântica: 1960
Peñarol
Campeonato do Uruguai: 1962
Barcelona Guayaquil
Campeonato do Equador: 1966
Estatísticas
Ano Jogos Gols Marcados Assistências Cartão Amarelo Cartão Vermelho
1956 2 1 ? ? ?
1957 50 20 ? ? ?
1958 41 15 ? ? ?
1959 61 13 ? ? ?
1960 72 8 ? ? ?
1961 10 2 ? ? ?
1962 1 0 ? ? ?
Total 237 59 ? ? ?

Fonte: http://www.flamengo.com.br/flapedia/Moacir_Claudino_Pinto

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Sob olhares de R10, Fla estreia com vitória sem sustos e gols de reforços


Vander comemora o primeiro gol do Flamengo (Foto: Alexandre Loureiro / FOTOCOM.NET)

Vander e Wanderley marcam, e Rubro-Negro derrota o Volta Redonda no Engenhão por 2 a 0. Ronaldinho e Thiago Neves acompanham a partida

Por Eduardo Peixoto
Rio de Janeiro

Observado por Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves, o Flamengo estreou com vitória no Campeonato Carioca sob o comando de outros dois reforços menos badalados. Vander e Wanderley não formam uma dupla sertaneja, mas mostraram afinidade com a camisa rubro-negra na primeira partida oficial que disputaram pelo clube. Nesta quarta-feira, eles marcaram os gols da vitória por 2 a 0 sobre o Volta Redonda, no Engenhão.

Com este resultado, o Fla somou sem grandes sustos seus primeiros três pontos no Grupo A da Taça Guanabara. A equipe lidera no saldo de gols, já que mais cedo o Resende derrotou o Vasco por 1 a 0. Por sua vez, o Voltaço permanece com zero.

Os dois times voltam a campo no próximo sábado, às 17h (de Brasília). O Flamengo joga contra o América em Edson Passos, enquanto o Volta Redonda recebe o Boavista no Raulino de Oliveira.

Vander abre o placar no primeiro tempo

Ainda sem contar com Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves, que acompanharam a partida de camarote, o Flamengo apostou suas fichas no jovem Vander, contratado ao Bahia. Já o Volta Redonda entrou em campo com algumas caras conhecidas do torcedor carioca, como Radamés (Ex-Flu), Jonilson (ex-Bota e Vasco), Lopes (ex-Fla e Flu) e Jean (ex-Fla, Flu e Vasco).

No primeiro bom lance do Flamengo, Renato usou de seu ponto forte - o chute de fora da área - e fez o goleiro Mauro trabalhar logo aos nove minutos. Porém, era visível a falta de ritmo do time rubro-negro, que encontrava dificuldade para armar as jogadas ofensivas.

O Volta Redonda chegou com perigo aos 20 minutos. Lopes chutou com força e Felipe se esticou para defender no canto direito. Enquanto isso, o setor defensivo da equipe do interior procurava se proteger dos lançamentos em profundidade e cruzamentos do adversário.

Os flamenguistas só voltaram a ameaçar aos 32. Fierro recebeu de Leo Moura na área, demorou para chutar e devolveu para o lateral soltar a bomba de direita. Em seguida, aos 35, Fernando tocou para Fierro, que caiu na área, mas a jogada foi limpa e a bola ficou com o goleiro Mauro.

Jogador mais dinâmico do ataque rubro-negro na etapa inicial, Vander organizou o lance que abriu o placar no Engenhão, aos 41 minutos. Ele invadiu a área pelo lado direito, passou pela marcação de Radamés e cruzou para o meio. Padovani desviou contra a própria meta, mas o árbitro acabou dando o gol para o meia do Fla.

No segundo tempo, o Volta Redonda começou com tudo. Aos cinco minutos, Thiago Maciel passou a bola entre as pernas de Fernando e cruzou rasteiro, mas Jean chegou atrasado e não conseguiu concluir. Pouco depois, aos dez, Felipe salvou o Flamengo em dois lances seguidos. Primeiro, espalmou chute de Glauber, jogando para escanteio. Após a cobrança, ele defendeu cabeçada de Ávalos.

A resposta do Flamengo veio aos 11, quando Egídio arriscou de longe e quase acertou o ângulo esquerdo de Mauro. Na sequência, Vanderlei Luxemburgo fez duas mexidas: tirou o apático Deivid e lançou Wanderley na frente, além de trocar Fierro por Marquinhos.

Em sua primeira jogada, aos 15 minutos, Wanderley ampliou a vantagem do Flamengo. Leo Moura fez ótima jogada pela direita e cruzou na medida para o atacante tocar de cabeça, no canto direito.

A partir daí, os espaços começaram a aparecer ainda mais. Marquinhos teve a chance de aumentar aos 22, mas chutou fraco e facilitou o trabalho da zaga. Depois disso, o Flamengo passou a administrar a vantagem, enquanto o Volta Redonda, apesar da maior posse de bola, pouco ameaçava.

Embora tenha diminuído o ritmo, o Fla ainda ameaçou duas vezes no fim. Renato, aos 41 minutos, cobrou falta em cima da barreira. Já aos 45, Marquinhos dominou na entrada da área e bateu na rede pelo lado de fora, encerrando o primeiro passo do Fla em busca do 32º título estadual.

Flamengo 2 x 0 volta redonda Felipe; Léo Moura, Welinton, David Braz e Egídio; Willians, Fernando, Fierro (Marquinhos) e Renato; Vander e Deivid (Wanderley). Mauro; Thiago Maciel, Avalos, Padovani e Fabinho; Jonilson, Radamés (Adenis), Leandrinho e Lopes (Gláuber); Gilmar (Tássio) e Jean.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo Técnico: Márcio Bittencourt
Gols: Vander, aos 41 minutos do primeiro tempo; Wanderley, aos 15 minutos do segundo tempo
Cartões Amarelos: Fabinho (Volta Redonda)
Público: 6.881 pagantes (7.804 presentes). Renda: R$ 137.170,00
Local: Engenhão, no Rio de Janeiro. Data: 19/01/2011. Árbitro: Pathrice Maia
Assistentes: Rodrigo Pereira Joia e Silbert Faria Sisquim

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/campeonatos-estaduais/campeonato-carioca/noticia/2011/01/sob-olhares-de-r10-fla-estreia-com-vitoria-sem-sustos-e-gols-de-reforcos.html

domingo, 16 de janeiro de 2011

Bottinelli mostra o cartão de visitas

No estilo Ronaldinho, Bottinelli dá vitória ao Fla sobre o América-MG
Observado pelo Gaúcho, argentino faz o gol da vitória rubro-negra sobre o Coelho, em Londrina, em bela cobrança de falta: 2 a 1
Por Richard Souza e Thiago Fernandes
Direto de Londrina, PR

Os rubro-negros de Londrina queriam ver Ronaldinho Gaúcho. E viram. Mas só no banco de reservas. O craque vai estrear apenas no fim deste mês ou no início de fevereiro. Sem problemas. A tarde deste domingo foi de estreia argentina no Flamengo: Darío Bottinelli. O gringo que Vanderlei Luxemburgo considera um achado se apresentou com gol e tudo. Gol no melhor estilo Ronaldinho. De falta, sem chance para o goleiro. Contra o América-MG, no estádio do Café, o Rubro-Negro foi melhor, teve amplo domínio, algumas dificuldades, mas venceu por 2 a 1. O time do técnico Vanderlei Luxemburgo encerra a pré-temporada no interior paranaense com saldo positivo. Em dois jogos, um empate (contra o Londrina) e uma vitória.

O Coelho foi bravo, tentou resistir, mas deixou um bom resultado escapar no fim. Ficou claro que a equipe de Mauro Fernandes ainda precisa melhorar a forma física.

A delegação do Fla retorna ao Rio na tarde desta segunda-feira. A estreia no Campeonato Carioca será no Engenhão, contra o Volta Redonda, na quarta, às 22h (de Brasília). O América-MG estreia no Campeonato Mineiro apenas no dia 29, às 17h, no estádio do Melão, em Varginha.

Fla joga melhor, mas Coelho dá trabalho

Flashes, lentes e microfones apontados para o banco de reservas do Flamengo. Todos os olhos para Ronaldinho Gaúcho. Mesmo sem jogar, o craque foi a atração maior do amistoso entre cariocas e mineiros. Antes de a bola rolar, ouviu os rubro-negros gritarem com orgulho: “Ronaldinho é nosso!”. O jogo só poderia começar depois de tudo isso. Foi uma espécie de ritual de boas-vindas para o astro.

A visita ao estádio do Café não era novidade. Em 2000, Ronaldinho disputou e venceu o Pré-Olímpico com a Seleção Brasileira. Na época, tinha apenas 20 anos. É a mesma idade de Vander. Foi o meia quem mais empolgou os torcedores no início da partida com pedaladas e avanços em velocidade. Tão rápido que o Rubro-Negro abriu o placar aos três minutos. O garoto recebeu passe de Fierro pelo lado direito da área do Coelho e bateu na saída do goleiro França. Primeiro gol do Flamengo no ano, primeiro da revelação do Bahia pelo novo clube.

Vanderlei Luxemburgo decidiu testar uma nova formação tática. O 4-4-2 utilizado no empate sem gols com o Londrina, há uma semana, deu lugar ao 4-2-3-1. O técnico sacou Wanderley do ataque e promoveu a entrada de Fierro. Desta forma, o chileno, Renato e Vander se alternavam ao lado de Deivid na frente. A tendência é que seja assim com Thiago Neves, Bottinelli e Ronaldinho.

Foi pela esquerda que o Fla tentou ampliar. Sempre com Egídio e Renato. Entretanto, foram os mineiros que acertaram. Marcos Rocha cobrou escanteio da direita, e o zagueiro Gabriel, ex-Fluminense, subiu para empatar de cabeça, aos 16. Primeiro gol sofrido pela equipe de Luxa na temporada. Não demorou para que os londrinenses pedissem por Ronaldinho. Aos 32 minutos, o estádio mandou o recado a Luxemburgo em uníssono. O craque terá condições de jogo em menos de duas semanas.

De volta à elite em 2011, a equipe do técnico Mauro Fernandes optou pelos contra-ataques. O veterano atacante Fábio Júnior tentou chamar a responsabilidade e deu trabalho. No Rubro-Negro, Willians, Renato e Vander eram os mais participativos. Léo Moura e Fierro também começaram a incomodar pela direta. Foi um primeiro tempo veloz, apesar do forte calor. Deivid continua devendo. O atacante ainda parece fora de forma e em alguns momentos não consegue acompanhar o ritmo. O outro David, o zagueiro, perdeu chance incrível, aos 40. Após cobrança de escanteio, a bola sobrou limpa na pequena área, mas o chute parou no travessão.

Sem Ronaldinho, mas com Bottinelli

Na volta do intervalo, o que se viu foi um Flamengo ainda mais disposto. Sob o comando de Renato, o melhor em campo, a equipe fez pressão e por pouco não marcou o segundo. Aos oito, Renato recebeu na entrada da área e bateu duas vezes. A bola desviou na zaga. Luxemburgo esperou 15 minutos para mudar e decidiu promover a estreia do argentino Darío Bottinelli, que substituiu Léo Moura. Fierro foi deslocado para a lateral direita. Deivid deu lugar a Wanderley.

Bottinelli entrou e demonstrou raça, arriscou dois chutes sem direção e errou alguns passes. Wanderley teve boa chance, aos 20, mas falhou. Renato cobrou falta com força, o goleiro França deu rebote, mas o atacante não conseguiu dominar.

O técnico Mauro Fernandes, que havia feito três mudanças no intervalo, resolveu trocar quase todo o time. Luxa seguiu o mesmo caminho. Por falta de um lateral-direito, só Fierro continuou. O amistoso virou treino e o nível piorou muito. Chances de gol foram raras. Um empate se desenhava, mas não persistiu. Aos 38, o garoto Romário, de 16 anos, arrancou pela direita e foi derrubado. Bottinelli bateu bonito, deixou França sem reação. Gol no melhor estilo Ronaldinho. O ex-jogador do Milan levantou-se para aplaudir. No fim da partida, foi ao centro do campo saudar os torcedores.

FLAMENGO 2 X 1 AMÉRICA-MG Felipe (Paulo Victor), Léo Moura (Bottinelli), Welinton (Jean), David (Ronaldo Angelim) e Egídio (Rodrigo Alvim); Fernando (Maldonado), Willians (João Vitor), Renato (Maquinhos), Fierro e Vander (Romário); Deivid (Wanderley). França (Glaycon), Micão, Preto (Moisés) e Gabriel; Marcos Rocha (Sheslon), Dudu (Otávio), Leandro Ferreira (Daniel Lovinho), Irênio (Elton Luís) e Rodrigo (Nando); Luciano (Thiago Silvy) e Fábio Júnior (William Morais).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Técnico: Mauro Fernandes.
Gols: Vander, aos três, e Gabriel, aos 16 do primeiro tempo. Bottinelli, aos 38 do segunto tempo.
Cartões amarelos: Gabriel (América-MG).
Local: Estádio do Café, Londrina-PR. Data: 16/01/2010. Árbitro: Antônio Denival de Morais. Auxiliares: Pedro Martinelli e Marcos Rogério da Silva. Público pagante: 17.911.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/noticia/2011/01/no-estilo-ronaldinho-bottinelli-da-vitoria-ao-fla-sobre-o-america-mg.html

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Os Estrangeiros do Flamengo

Estrangeiros do Flamengo

Introdução

Nesse artigo consta diversas informações sobre estrangeiros que já passaram pelo Flamengo em diversas modalidades. O artigo está atualizado até o dia 13 de Dezembro de 2010, e os números correspondem as nossas pesquisas, podendo ser modificados com o tempo já que muitas vezes existem duvidas sobre a nacionalidade de atletas do passado. A lista do futebol já está completa as demais modalidades ainda necessitam ser completadas. Um destaque especial vai para Franz Beckenbauer e Lev Yashin que já vestiram não oficialmente o manto sagrado rubro-negro.

Esportes
Futebol
Jogadores
Mais Partidas
Posição Jogador Número de Jogos Nacionalidade Bandeira
1º Modesto Bria 369 jogos Paraguai
2º Garcia 276 jogos Paraguai
3º Doval 263 jogos Argentina
4º Dejan Petkovic 197 jogos Sérvia
5º Reyes 196 jogos Paraguai
6º Volante 164 jogos Argentina
7º Agustín Valido 143 jogos Argentina
8º Sidney Pullen 130 jogos Inglaterra
9º Benitez 115 jogos Paraguai
10º Espanhol 106 jogos Espanha
11º Sérgio Ramirez 94 jogos Uruguai
12º Fritz Engel 74 jogos Alemanha
13º Fillol 71 jogos Argentina
14º Manicera 71 jogos Uruguai
15º Maxi Biancucchi 69 jogos Argentina
16º Mancuso 66 jogos Argentina
17º Fierro 61 jogos Chile
18º Chamorro 55 jogos Argentina
19º Alfredo González 45 jogos Argentina
20º Domínguez 41 jogos Argentina
20º Maldonado 41 jogos Chile
22º Átmio Luís Villa 32 jogos Argentina
22º Cesar Ramirez 32 jogos Paraguai
24º Gamarra 30 jogos Paraguai
25º Agustin Cosso 28 jogos Argentina
26º Arcádio López 26 jogos Argentina
27º Peralta 20 jogos Uruguai
28º James Calvert 19 jogos ?
29º Lawrence Andrews 19 jogos ?
30º Talladas 18 jogos Argentina
31º Rivera 15 jogos Equador
32º Harry Reid 14 jogos ?
33º Piekarski 13 jogos Polônia
34º Darío Pereyra 12 jogos Uruguai
35º Arthur Naon 11 jogos Argentina
36º Orsi 11 jogos Argentina
37º Rafael Sanz 10 jogos Argentina
37º Sabino Colleta 10 jogos Argentina
39º Júlio Castillo 9 jogos Argentina
39º Jorge Paolino 9 jogos Argentina
41º Cristian Borja 7 jogos Colômbia
41º Sambueza 7 jogos Argentina
42º Daniel Borghi 6 jogos Argentina
42º Severo Rivas 6 jogos Paraguai
43º De Terán 5 jogos Argentina
43º Gavilán 5 jogos Paraguai
43º Hugo Colace 5 jogos Argentina
44º Cáceres 4 jogos Paraguai
44º Henry Welfare 4 jogos Inglaterra
46º Mendoza 2 jogos Uruguai
46º Florian Albert 2 jogos Hungria
46º Peter Timko 2 jogos Eslováquia
46º Rimbo 2 jogos Suécia
47º Haraoui Nino 1 jogo Argélia
Aluspah Brewah 0 jogos Serra Leoa
Sánchez (Base) 0 jogos Uruguai
Tréllez (Base) 0 jogos Colômbia

Mais Gols
Posição Jogador Número de Gols Nacionalidade Bandeira
1º Doval 92 gols Argentina
2º Benitez 76 gols Paraguai
3º Dejan Petkovic 57 gols Sérvia
4º Sidney Pullen 47 gols Inglaterra
5º Agustín Valido 45 gols Argentina
6º Alfredo González 31 gols Argentina
7º Fritz Engel 23 gols Alemanha
8º Agustin Cosso 20 gols Argentina
9º Espanhol 15 gols Espanha
10º Cesar Ramirez 11 gols Paraguai
11º James Calvert 9 gols ?
12º Modesto Bria 8 gols Paraguai
13º Reyes 7 gols Paraguai
13º Rafael Sanz 7 gols Argentina
13º Henry Welfare 7 gols Inglaterra
13º Maxi Biancucchi 7 gols Argentina
17º Júlio Castillo 6 gols Argentina
18º Mancuso 5 gols Argentina
19º Volante 4 gols Argentina
19º Peralta 4 gols Uruguai
19º Harry Reid 4 gols ?
22º Arthur Naon 3 gols Argentina
23º Fierro 2 gols Chile
23º Lawrence Andrews 2 gols ?
23º Sérgio Ramirez 2 gols Uruguai
23º Orsi 2 gols Argentina
27º Maldonado 1 gol Chile
27º Gamarra 1 gol Paraguai
27º Severo Rivas 1 gol Paraguai

Técnicos
Mais Partidas
Posição Técnico Jogos Nacionalidade Bandeira
1º Fleitas Solich 504 jogos Paraguai
2º Armando Renganeschi 127 jogos Argentina
3º Juan Carlos Bertoni 96 jogos Uruguai
4º Modesto Bria 83 jogos Paraguai
5º Dori Krueschner 69 jogos Hungria
6º Ernesto Santos 47 jogos Portugal
7º Charles Willians 38 jogos Inglaterra
8º Ramon Platero 8 jogos Uruguai

Basquete
Lista ainda incompleta

Ano Jogador Nacionalidade Bandeira
1962-1967 Norminha Argentina
1985 Germán Filloy Argentina
1987-? Rock Smith Estados Unidos
1996 Leon Jones Estados Unidos
1996-1998 Brent Merrit Estados Unidos
1997 Alvin Frederick Estados Unidos
1997 Ken Redfield Estados Unidos
1998 Kenny Payne Estados Unidos
1998 Steve Worthy Estados Unidos
1998-1999 Askia Jones Estados Unidos
1998-1999 Kendrick Warren Estados Unidos
1999 Marlon Anderson Estados Unidos
1999-2000 Greg Newton Canadá
2000-2001 Anthony Douglas Porto Rico
2000-2001 Robyn Davis Estados Unidos
2004-2005 Marc Brown Estados Unidos
2006 Adrian Henning Estados Unidos
2006 Demeritte Quentin Bahamas
2007-2008 Amiel Vega Cuba
2010 Kyle Lamonte Estados Unidos

Outros Esportes
Atletismo
Robert Fowler
Automobilismo
Duncan Tappy
Franck Perera
Jonathan Kennard
Esgrima
Sistilio Bottino
Natação
Christina Kovacs
Grigori Matuzkov
Inge de Bruijn
Pamela Hanson
Yana Klochkova
Kimberly Vandenberg
‎Jessica Hardy
Pólo Aquático
Albert Lifante
Daniel Gadea
Zigmund Bogdan
Remo
Ricardo Daniel Ibarra
Santiago Fernández
Sebástian Fernández
Vôlei
John O'Shea
Mary O'Shea
Tara Cross

Retirado de "http://www.flamengo.com.br/flapedia/Estrangeiros_do_Flamengo"

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

A apresentação de Thiago Neves


Thiago Neves se impressionou com o manto

"Estou arrepiado. É diferente, espetacular, vestir essa camisa"Thiago Neves assume a camisa 7 e revela que se impressionou com paixão da torcida do Flamengo
Da equipe do site oficial

Vivendo uma ressaca, mas uma ressaca boa, o torcedor do Flamengo pode ver, em menos de 24h, dois grandes jogadores vestindo pela primeira vez o manto sagrado. Depois de Ronaldinho Gaúcho, na última quarta-feira (12.01), foi a vez de Thiago Neves ser anunciado como jogador do clube, nesta quinta (13.01), no salão nobre da Gávea.

Recebido sob aplausos e com muita expectativa, o jogador, que veio do mundo árabe, agradeceu todo o carinho recebido no clube e pelas ruas do Rio de Janeiro, nos últimos dias.

"Confesso que estou nervoso. Acompanhei toda a apresentação do Ronaldinho, ontem (quarta), pela TV. Cheguei hoje cedo ao clube e me senti arrepiado com a recepção. É diferente, espetacular, vestir essa camisa. Ainda estou em estado de choque, mas daqui na pouco vai passar. Pode ser que, no começo, o torcedor se sinta um pouco desconfiado, mas vou dar minha resposta dentro de campo. Peço um pouco de paciência. Estou acostumado com a pressão e sei que terei isso aqui no Flamengo", afirmou Thiago Neves, já uniformizado.

Sem esconder sua felicidade, a presidente do Flamengo Patricia Amorim, foi a porta voz da torcida, revelando o que espera do craque e para o ano do clube.

"Há muito tempo o Flamengo não anuncia dois jogadores desse porte em menos de 24 horas. É uma satisfação muito grande fazer parte disso tudo. Agradeço a todos envolvidos, que possibilitaram a chegada desses reforços. Agora, é pensar em trabalhar forte para que as conquistas cheguem. Queria dizer para a torcida que isso tudo é para ela. É para os rubro-negros que trabalhamos. Afinal, são eles que movem essa paixão. Eles que mantém vivo o Flamengo", disse a dirigente, explicando que o manto caiu bem em Thiago Neves.

"É, caiu bem. Gostaria de dizer que você vai amar muito esse clube. O Flamengo é o clube mais querido do Brasil e você fará parte disso. Agora, você é um dos jogadores mais amados do Brasil. Quando vestiu o manto, passou a ser o mais querido também. É um sonho realizado esta contratação", finalizou a presidente.

Sobre o ano que terá pela frente, Thiago Neves já traçou seus objetivos: vencer com a camisa do Flamengo e, se tudo der certo, voltar à seleção.

"Minha vontade é essa: ganhar títulos no Flamengo e voltar a vestir a camisa da seleção brasileira. Preciso provar que tenho condições disso. A seleção será a conseqüência do meu trabalho no Flamengo".

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=11679

Desejos de boas vindas do ídolo maior

Zico manda mensagem e deseja boa sorte a Ronaldinho

Fico muito feliz com a chegada do Ronaldinho Gaúcho e também do Thiago Neves porque foram duas negociações que começaram quando eu ainda estava no clube. Sempre torci bastante para um desfecho favorável. O Thiago, inclusive, só não veio na minha passagem pela direção do futebol porque não foi liberado pelo clube, que o queria disputa da Liga dos Campeões da Ásia.

O Thiago Neves é um excelente jogador, com muita qualidade e que tem tudo para passar pelo Flamengo com destaque. Já elogiar o Ronaldinho Gaúcho é chover no molhado. Duas vezes melhor do mundo, campeão, um jogador com muitos recursos técnicos e sua chegada mexe com o clube, com os jogadores e com a torcida. Ele chega com grande responsabilidade e a gente sabe que ele tem muito a oferecer. Só depende dele deixar o nome marcado na história do Flamengo.

Acompanhei a coletiva do Ronaldinho e fui citado como um dos ídolos de infância da família, apresentado ao Ronaldinho pelo irmão Assis. Fico muito contente com o carinho e espero que ele faça muito sucesso com a camisa do Flamengo que eu vesti ao longo de tantos anos. Estarei na torcida por grandes jogadas, pelo futebol bonito e por títulos.

Boa sorte Ronaldinho e Thiago Neves! Que o Flamengo conquiste muitas vitórias com a ajuda de vocês!

Um abraço!

Zico

Fonte: http://www.ziconarede.com.br/portal/znr/newz.php?pa=1699&md=

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Entrevista com Ronaldinho



A entrevista coletiva completa de Ronaldinho

Apoiador agradeceu apoio, demonstrou confiança no sucesso e prometeu retribuir carinho da torcida
Da equipe do site oficial

A primeira entrevista coletiva de Ronaldinho Gaucho com a camisa do Flamengo durou cerca de 30 minutos. O apoiador esclareceu a negociação com o Rubro-negro, revelou o sonho de voltar à seleção e disputar a Copa de 2014 no Brasil e, é claro, agradeceu tudo o que foi feito pela torcida do Flamengo em sua chegada ao clube.

Com o tradicional sorriso no rosto e respondendo a tudo que lhe foi perguntado, o craque se disse motivado como nunca antes em sua carreira e demonstrou muita vontade de vencer os campeonatos que disputar vestindo o manto sagrado. A presidente Patricia Amorim fez uma breve introdução antes de o craque dar início à coletiva de imprensa, que se iniciou pouco depois das 19h.

"É um momento especial e único para nós. Agradeço a todos os presentes, os torcedores, aos presidentes de poderes e aos vice-presidentes, além de todos que sempre acreditaram no projeto, que começou em junho do ano passado, em especial à Traffic, pois sem ela não teríamos atingido esse objetivo. Ele não é um simples jogador. É o maior e mais querido do mundo. Por fim, agradeço ao Ronaldo e ao Assis pela confiança. O Flamengo está de portas abertas. Somos felizes aqui, você já sentiu um pouquinho isso. O clube te ama e agora você faz parte dessa grande família da Nação Rubro-negra, a razão da nossa existência", disse.

Confira abaixo as respostas de R10 durante a entrevista:

Recepção de ídolo - Hoje para mim é um dia complicado para falar, depois de tanta emoção, depois de tudo o que vi e ouvi. É um dia inesquecível. Só tenho a agradecer o carinho de todos os cariocas, que me tratam muito bem e, claro, em especial à torcida do Flamengo. Mesmo antes de eu vir, eles sempre me trataram muito bem e isso só me motiva a levar isso para campo e poder retribuir jogando futebol, que é o que sei. Estou muito, muito feliz.

Retorno inimaginável - Eu imaginei muitas maneiras de voltar ao Brasil, mas nenhuma delas chegava perto do que recebi hoje. Foi inesquecível. É um dos dias mais emocionantes da minha vida. O Ronaldinho que chega aqui é o mais motivado. Nunca me senti tão motivado para fazer o que sei fazer, que é jogar. Não vejo a hora de estar com os companheiros, treinar forte para estar bem e retribuir esse carinho.

Motivação - O que senti hoje era mais até do que tudo que eu imaginava precisar para ser feliz, para me motivar e dar seguimento à minha carreira. Como disse antes, não vejo a hora de voltar a jogar após tudo isso que vi aqui. Eu sempre penso positivo. Penso tudo da melhor forma. Me imagino podendo jogar bem, dando dribles e alegria à torcida. Mesmo sabendo de toda a pressão que tem, porque Flamengo é Flamengo, me imagino bem para fazer tudo o que sei fazer.

Negociação - Foram dias de certa angústia. Muita coisa dependia do Milan, o Flamengo acertou com eles e, felizmente, tudo deu certo. Agora estou muito feliz e muito tranqüilo aqui. Não sou muito de dar entrevistas. Na única fez em que falei, fui bem claro. O Grêmio era uma boa opção por tudo o que vivi lá, o Palmeiras também tinha a possibilidade e falei também que o Flamengo é Flamengo. Sempre fui bem claro. Tinha chance de ir para qualquer um, mas tinha o Milan no meio, eles teriam que resolver, então sempre deixei tudo bem claro.

Camisa 10 da Gávea - Para mim é um orgulho vestir a camisa 10 do Flamengo pelo histórico do clube, por todos que já a vestiram, pelo Zico, que sempre foi o grande ídolo dentro da minha casa. Nasci vendo tudo a respeito dele e, para mim, é um grande orgulho. Penso em dar muitas alegrias à torcida, dar seguimento à carreira aqui com muitas conquistas.

Rendimento - Eu tenho na minha cabeça fazer uma boa preparação para fazer uma excelente campanha. É assim que estou. Quero chegar bem fisicamente e render da melhor forma. Me imagino fazendo muita coisa boa. Jogando da melhor forma para que a torcida esteja cada vez mais feliz comigo e com a equipe. Vejo uma equipe vencedora, motivando o torcedor a estar sempre no estádio. A torcida do Flamengo, eu sempre via pela televisão e imaginava como seria jogar para ele. Quero fazer o melhor para dar muita torcida a eles.

Jogos do Brasileirão - Sou profissional e quero que minha equipe vença sempre, não importa contra quem vou jogar. Sempre vou estar em campo, dando meu máximo e tentando conquistar pontos para minha equipe, alegrando meu torcedor.

Objetivos - Quero levar o nome do Flamengo o mais longe possível. Conquistando o máximo de títulos possível, fazendo de tudo com o clube para retribuir tudo o que estou vivendo hoje e tudo o que foi feito por mim. Todo o povo carioca, independente dos que não são flamenguistas, sempre me trata muito bem. Levar isso da melhor forma para todo o mundo, para mim, será a maior alegria da minha vida.

Seleção - Decidi voltar ao Brasil para disputar mais uma Copa. Tendo a chance de uma Olimpíada e de uma Copa do Mundo aqui, depois de muitos anos fora, estou motivado para voltar ao Brasil. Quero voltar à seleção e me manter lá até a Copa de 2014.

Condições físicas - Me vejo muito bem fisicamente e, quanto mais jogo, para mim, melhor. O que mais gosto de fazer é jogar futebol e para mim não tem problema nenhum seguir me preparando para agüentar bem o ano todo.

Sonho de jogar no Fla - Todo jogador se imagina jogando em clubes grandes. E o Flamengo é o maior do Brasil, todo mundo sabe disso. Então, todo jogador se imagina jogando em clubes assim. Eu também sempre imaginei isso. Tive a felicidade de jogar em grandes clubes durante a minha carreira. Meu projeto é vencer o máximo de títulos. Sabemos das dificuldades, mas o objetivo é, passo a passo, ir conquistando até chegar ao Mundial, que é tão esperado pelo torcedor.

Vagner Love - O Vagner é um grande amigo, não sei o que vai acontecer futuramente, mas conversei com ele sim.

Estreia - Agora, me apresentando, vou falar com o professor Luxemburgo para saber quando será minha estreia. Falei rapidamente com ele, agora falta só definir a apresentação lá, se vou amanhã mesmo ou depois de amanhã. O resto vamos conversar pessoalmente. Estou me sentindo bem. Agora vou fazer uma avaliação com o professor e depois definir a estreia.

Rio de Janeiro - Me sinto muito bem no Rio. Vim muitas vezes para cá, tenho muitos amigos aqui e isso foi muito bom. Ver meus amigos flamenguistas aqui festejando. Estou muito bem e espero me adaptar o mais rápido possível. A sensação é maravilhosa. Estou muito alegre, emocionado e muito feliz. Não esperava uma festa tão grande, todo esse carinho, então penso em jogar muito bem com o Flamengo para retribuir todo esse carinho.

Aplausos de rivais - Nunca pensei que aquilo aconteceria na minha vida (aplausos da torcida do Real Madrid em um jogo pelo Barcelona). Não imagino que volte a acontecer. É um fato muito difícil. Mas o que espero é que, nos jogos, tenha muita paz, alegria e todos participem, se divirtam e que haja um Campeonato Carioca com muita festa para todos.

Posicionamento - Não vejo problema em me adaptar em nenhuma posição do meio para a frente. Joguei um pré-Olímpico com o professor Luxemburgo de atacante, depois joguei no meio com ele também e estou disposto a fazer o que ele pedir. O que quero, é jogar, me divertir e trazer alegria ao torcedor.

Milan - O Leonardo é um grande amigo e entendeu uma boa forma de me botar para jogar. Eu me sentia muito bem em campo. Com o novo treinador, houve uma mudança de sistema de jogo, muita coisa diferente e isso acabou prejudicando meu rendimento. Deixei muitos amigos no Milan, vou sentir saudades de todos, porque sempre me trataram muito bem lá também.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=11668

Agora eu sou mengão


Dudu Nobre, Patrícia Amorim e Ronaldinho no auge da festa: palco confuso (Foto: VIPCOMM)

'Obrigado pelo carinho. Agora eu sou Mengão', grita R10 para a torcida
Ronaldinho veste pela primeira vez a camisa rubro-negra diante de um mar vermelho e preto na Gávea
Por GLOBOESPORTE.COM
Rio de Janeiro

Parecia comemoração de título. Ronaldinho Gaúcho conseguiu transformar uma quarta-feira comum, uma tarde qualquer, em dia de festa memorável para os rubro-negros. Com o gramado da Gávea escondido por um mar vermelho e preto, o novo camisa 10 e falou pela primeira vez à sua nova nação.

- Obrigado pelo carinho. Queria dizer que espero retribuir tudo isso. Vamos com tudo. Nação, estou fechado com vocês. Agora eu sou Mengão - gritou, em um palco lotado e desorganizado.

Ronaldinho falou pouco. O cantor Ivo Meireles tomou conta do microfone e ficou na frente do jogador, atrapalhando o público e as imagens de TV. A saída do astro do palco também foi tumultuada. A aparição fugaz do jogador, porém, não desanimou a torcida, que cantou o tempo inteiro.

De mãos dadas com a presidente Patrícia Amorim, Ronaldinho chegou ao palco às 17h20m, cercado de seguranças, após passar com muita dificuldade pela arquibancada. Depois do sufoco, abraçou o sambista Dudu Nobre, que puxou o coro de "que torcida é essa" e o famoso "vai começar a festa". No palco, Vagner Love também girava a camisa e cantava. A primeira a falar foi Patrícia Amorim, visivelmente emocionada.

- Obrigado, nação rubro-negra. Não tenho nada para falar, a festa é dele - disse a dirigente, pouco antes de colocar a mão no coração do jogador, tentando medir a euforia do astro.

Foram mais de quatro horas de êxtase na sede. Segundo estimativas da polícia, havia 20 mil torcedores no local. O clube foi aberto ao público às 14h, e houve momentos de tensão. Pouco antes das 15h, um dos portões próximos ao gramado foi derrubado por torcedores que forçavam a entrada. A imagem da TV mostra quatro policiais e três seguranças do clube tentando segurar a porta, sem êxito.

Apesar do incidente, o clima continuou festivo. O cantor Ivo Meireles comandou a massa e pediu uma ola "para o mundo inteiro ver a força da torcida do Flamengo". Foi prontamente atendido.

Do alto de um prédio ao lado do clube, um torcedor resolveu abrir uma bandeira do Vasco. A vaia foi imediata, com gritos de "segunda divisão".

Os que temiam chuva viram um fim de tarde ensolarado, aquecendo ainda mais o clima. Por volta das 17h ainda havia gente entrando no clube, com complicações no trânsito do entorno da Gávea.

Vagner Love, que deixou o Flamengo no meio da temporada passada, foi prestigiar a festa. O atacante do CSKA ouviu o de sempre: torcedores pedindo seu retorno.

- Queria estar aí jogando com o meu padrinho (Ronaldinho). Não sei quando vai ser. Espero que um dia aconteça - respondeu o jogador, em entrevista ao Sportv.

A saída não foi fácil. O público deixou o local pelo portão da Rua Mário Ribeiro, de grande movimentação de veículos em direção à Lagoa Rodrigo de Freitas. Um motociclista atropelou um torcedor e caiu, mas sem ferimentos graves para ambos.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2011/01/obrigado-pelo-carinho-agora-eu-sou-mengao-grita-r10-para-torcida.html

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Vibra Nação que Ronaldinho é do MENGÃO


Ronaldinho Gaúcho vai vestir o manto sagrado

Ronaldinho "Carioca" fecha com o Mengão

Craque seguiu sua vontade de vestir o manto sagrado e jogará na Gávea até 2014

Da equipe do site oficial

Ele já venceu a Copa do Mundo. Foi eleito melhor jogador do mundo por duas vezes. Encantou multidões com seu futebol por onde passou. No entanto, nunca defendeu uma torcida tão grande em um clube. Ronaldo de Assis Moreira, ou apenas Ronaldinho Gaúcho, vestirá a camisa do Flamengo. Depois de acerto entre as diretorias rubro-negras (Fla e Milan), a contratação do jogador, até 2014, foi definida na noite desta segunda-feira (10.01).

E Ronaldinho já sabe o que pode esperar nos quatro cantos do país: muito apoio da Nação. Na tarde da última quarta-feira (05.01), quando uma coletiva de imprensa foi marcada para divulgar que o jogador ainda mantinha contrato com o Milan, cerca de 500 torcedores do Flamengo já ‘recepcionaram’ o novo astro do futebol rubro-negro.

Ciente de que essa foi uma vitória história para o hexacampeão brasileiro, a presidente Patricia Amorim não escondeu a satisfação em anunciar oficialmente a contratação.

"Temos a felicidade de anunciar a contratação de Ronaldinho Gaúcho pelos próximos quatro anos. Agradeço a diretoria pela discrição, sabedoria ao longo das negociações. Isso é o que tenho buscado ao longo do meu mandato. Esse projeto começou desde o primeiro dia que cheguei à presidência. Não é só trazer um jogador, e sim condições de trabalho para todos os profissionais. Agradeço ao departamento jurídico, ao Luxemburgo, e, principalmente, á torcida do Flamengo. Todo dia, em qualquer lugar, as pessoas perguntando sobre o Ronaldo, isso foi um combustível para a nossa trajetória na negociação", afirmou a dirigente rubro-negra.

Após o anúncio de que a contratação estaria muito próxima de acontecer, nesta segunda, a nação novamente se fez presente e já começou a comemorar o reforço de peso, um dos maiores da história.

Ronaldinho chega ao Flamengo após passar nove temporadas na Europa. No velho continente o craque vestiu a camisa do Paris Saint Germain, Barcelona e Milan. Nos três clubes, ele levantou muitos títulos, entre eles a Copa dos Campeões da UEFA, em 2006. Individualmente, levantou o troféu de melhor jogador do mundo por duas vezes, 2005 e 2006.

O mais novo craque rubro-negro chega para disputar quatro títulos na temporada, Campeonato Carioca, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Copa Sul-Americana, todos inéditos na vida de Ronaldinho.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=11633

sábado, 8 de janeiro de 2011

Banca do Fla é ponto turístico em Londrina



Rogério Medeiros herdou estabelecimento do pai, que o ensinou a torcer pelo Fla (Crédito: Paulo Sérgio)

Estabelecimento temático em homenagem ao rubro-negro é atração na região onde Fla faz a pré-temporada

NATHAN DE LIMA
Publicada em 08/01/2011 às 09:08
Londrina (PR)

Canecas, flâmulas na parede, bandeiras, garrafas e um amor incondicional pelo Rubro-Negro. Quem entra na Banca do Flamengo, no Centro de Londrina, logo percebe o carinho que o dono do local tem pelo time do técnico Luxemburgo. Inaugurada há 30 anos, o local já virou um ponto turístico e está marcado em quase todos os guias da cidade do norte do Paraná.

O dono do estabelecimento, Rogério Medeiros, de 35 anos, é fanático pelo Rubro-Negro desde criança e demonstrou que se todos na cidade forem iguais a ele, o Estádio do Café se tornará um verdadeiro caldeirão amanhã.

– A banca começou com o meu pai e agora ficou famosa. Quando tem jogo do Flamengo a torcida passa aqui para comemorar as vitórias. Quando perdemos, as outras torcidas também aparecem para debochar – disse Rogério Medeiros, que já garantiu o seu ingresso para este domingo, no amistoso contra o Londrina, no Estádio do Café.

BATE-BOLA com Rogério Medeiros

Como surgiu a ideia da Banca do Flamengo aqui em Londrina?

Meu pai é muito rubro-negro, doente mesmo. Inaugurou a banca há 30 anos. Deu certo e virou um marco.

O que os jogadores podem esperar da torcida aqui de Londrina nos amistosos?

A torcida é incrível. Adoramos o Flamengo. O estádio vai lotar.Vamos ao jogo, pois torcer de longe é sempre complicado. Vemos sempre os jogos só na TV. Porém, o nosso amor pelo Flamengo não diminui nunca.

E como você virou flamenguista, já que mora aqui?

Quando eu era bebê, meu pai disse que a primeira camisa que eu apontasse seria meu time. Aí, ele colocou quatro camisas do Fla na cama para eu escolher uma.

Fonte: http://www.lancenet.com.br/flamengo/Banca-Fla-turistico-Londrina_0_404959506.html

Parabéns a Rogério Medeiros e ao seu pai pela brilhante iniciativa. Tomara que idéia semelhante a essa seja disseminada por todo o país, pois o Flamengo, merece e a nação rubro-negra agradece.

Angelim festeja mais um ano no Flamengo


Angelim é só sorrisos com a camisa do Fla

Herói do hexa e rubro-negro de infância, Angelim sonha com mais títulos pelo Rubro-negro
Da equipe do site oficial

Direto de Londrina (PR)

Não é à toa que Ronaldo Angelim tem o apelido de "Magro de Aço". O bom preparo físico do jogador e sua longevidade impressionam. Aos 35 anos, ele continua em plena forma para vestir a camisa do Flamengo e seguir sonhando com novas conquistas pelo clube de coração. Herói do hexa, conquistado há dois anos, ele acredita que pode levantar novas taças em 2011.

Estar no Rubro-negro, para Ronaldo, é a realização de um sonho. Apesar de ser cearense e de ser ídolo da torcida do Fortaleza, ele nunca escondeu que torce mesmo é para o Flamengo. Talvez este seja até mais um segredo de tanta dedicação: o amor.

"Gosto de estar no Flamengo, os títulos mais importantes ganhei foi aqui, sou torcedor e minha felicidade é enorme de me manter no elenco, com 35 anos ainda, e espero aproveitar para ajudar a equipe", analisou o camisa 4, que sabe que terá uma grande concorrência pela vaga de titular.

"A briga por posições será boa, mas quem jogar vai ter a torcida de todos os companheiros. Acredito muito no potencial de todos os jogadores da posição", garantiu.

Cheio de gás, o zagueiro elogia o trabalho que vem sendo feito pelo elenco na pré-temporada, em Londrina, no Paraná. Para Angelim, o momento é de se desgastar mesmo. De suar bastante a camisa para que o time possa estar em vantagem em relação aos adversários na parte física e técnica.

"Está sendo ótimo. Estamos trabalhando forte, aprimorando principalmente a parte física e, depois, a parte técnica vai sendo trabalhada. Espero que o Flamengo esteja bem já no início do Campeonato Carioca para sairmos na frente das outras equipes", completou.

Desde 2006 no Fla, Angelim já tem 253 partidas com a camisa rubro-negra. Além do gol histórico, contra o Grêmio, na última rodada do Brasileirão de 2009, ele marcou mais 15 vezes com a camisa rubro-negra. Deu três assistências, levou 36 advertências e nunca foi expulso.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=11600

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Visita de um londrinense famoso


Marinho e Cantareli são amigos de longa data

Jogador fez parte da Era de Ouro do clube e reviu amigos como Luxa e Cantareli
Da equipe do site oficial

Direto de Londrina (PR)

O elenco do Flamengo recebeu uma visita especial na tarde desta quinta-feira (06.01), no CT onde realiza sua pré-temporada, em Londrina, no Paraná. O zagueiro Marinho, que vestiu a camisa rubro-negra de 1980 a 1984 e conquistou três títulos brasileiros, a Libertadores e o Mundial Interclubes, vive na cidade e foi visitar a delegação. O ex-jogador pôde rever companheiros de seu tempo, como Vanderlei Luxemburgo, hoje treinador do Flamengo, e Cantareli, preparador de goleiros.

Um laço de amizade que foi ressaltado por Marinho como uma conquista tão importante quanto os títulos que ele faturou enquanto vestia o Manto Sagrado. Admitindo a saudade do grupo que ganhou tudo, ele lembra que a união daquele elenco foi um dos principais combustíveis para tanto sucesso.

"Naquela época, o grupo era muito unido. Eu tinha uma amizade muito grande com todos, mas o Cantareli era como um irmão para mim. É muito bom revê-lo. Muito bom estar visitando o pessoal do Flamengo, que foi o clube onde eu mais conquistei títulos e que marcou a minha vida, sem dúvida", recordou.

Cantareli concorda. Ele lembra ainda que até mesmo as famílias dos jogadores eram amigas, estavam sempre juntas, o que acabava facilitando as coisas. Bem humorado, ele cobrou Marinho perguntando o motivo de a visita não ter ocorrido mais cedo.

"Já estava até ficando preocupado. Achei que ele vinha no primeiro dia (risos). É um grande amigo, assim como todos naquele grupo eram. As famílias se davam bem, estávamos sempre juntos, era um barato", completou.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=11590

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Élber no CT onde o Fla faz sua pré-temporada



Élber no CT onde o Fla faz sua pré-temporada
(Foto: Richard Fausto / Globoesporte.com)

Ex-atacante diz que é rubro-negro e lembra trabalho com Luxa na Seleção
Por Richard Souza
Direto de Londrina, Paraná

Ícone do Bayern de Munique, da Alemanha, o ex-atacante Élber esteve no treino do Flamengo na tarde desta quarta-feira. Aposentado desde 2006, quando defendeu o Cruzeiro, ele agora é diretor esportivo da SM Sports, proprietária do CT onde o Rubro-Negro realiza a pré-temporada, em Londrina (PR), sua cidade natal. Élber, que está com 37 anos, trabalhou com Vanderlei Luxemburgo na Seleção Brasileira, em 1999.

- Ele me convocou na primeira vez dele na Seleção. Ficou faltando para nós uma Copa do Mundo. Ele ainda pode conseguir. Foi legal, trabalho bacana. É um profissional muito bom, aprendi muita coisa – disse.

O ex-jogador tem acompanhado a novela sobre o futuro de Ronaldinho Gaúcho. Grêmio, Flamengo e Palmeiras tentam contratar o meia-atacante. Élber espera que o craque escolha o Rubro-Negro.

- Tenho acompanhado. Ainda mais que o Flamengo está aqui em Londrina. Seria muito bom o Ronaldinho assinar como Flamengo, ainda mais que sou flamenguista. Chega dessa novela. Está na hora de colocar um ponto final – comentou.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2011/01/elber-visita-treino-do-fla-em-londrina-e-torce-pela-chegada-de-ronaldinho.html

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Meu Jogo Inesquecível: emoções de Christine Fernandes no Fla de 1987



O marido de Christine Fernandes, o ator Floriano Peixoto, também rubro-negro de carteirinha, costuma acompanhar a atriz e o filho Pedro nas partidas do Flamengo (Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal)

Beijos de Bebeto para a mulher, Denise, após gol, vibração dividida do pai, um ex-colorado, e urubu jogado no campo marcam na final da Copa União
Por Márcio Mará
Rio de Janeiro

A atriz Christine Fernandes sempre arrumou tempo para dividir suas tarefas profissionais com as de esposa, mãe e... torcedora. Rubro-negra declarada, dessas de botar a camisa e ir para o Maracanã torcer alucinadamente, lembra com detalhes de um título. Afinal, decisão de campeonato é sempre um jogo especial. Melhor ainda com vitória. Fica sempre na memória. Na final da até hoje polêmica Copa União de 1987 entre Flamengo e Internacional - a CBF reconhece a conquista do Brasileiro para o Sport Recife -, a americana de Chicago, mas brasileira e carioca de carteirinha, lembra a euforia com que soltou o grito de "tetra" brasileiro após viver, naquele duelo vencido por 1 a 0, três momentos inesquecíveis.

A comemoração de Bebeto depois de marcar o gol, mandando beijos para a futura esposa, Denise, é o primeiro. A vibração apaixonada mas ao mesmo tempo "dividida" do pai, o gaúcho Antônio, flamenguista roxo desde a chegada ao Rio há mais de 40 anos, mas um antigo colorado, não passou em branco. E o urubu jogado pela torcida no campo que o ídolo Renato Gaúcho foi apanhar também acabou marcante.

- Aquela partida teve muito significado para mim. A Denise jogava vôlei comigo no Flamengo. Depois fui para o Bradesco Atlântica, mas continuamos muito amigas. Quando o Bebetinho fez aquele gol logo no início e mandou beijinhos para ela, fiquei muito feliz. Depois, ainda lhe dedicou a jogada. Foi lindo aquilo. Na comemoração, vibrei muito com meu pai, mas senti que o coração dele parecia apertado. Fiquei pensando: "Coitadinho do meu pai." Quando chegou ao Rio, assumiu logo o Flamengo, se apaixonou. Mas era uma decisão contra o Colorado, time pelo qual torcia antes... Sabia que, para ele, era uma final diferente... - disse Christine, vista recentemente nas telas da Globo no especial de fim de ano 'Diversão.com'.

A outra imagem inesquecível para Christine da partida foi quando a torcida jogou no gramado um urubu, ave-símbolo que no fim dos anos 60 virou mascote do Flamengo, desenhada pelo cartunista Henfil.

- Foi a maior vibração no Maracanã. Lembro que o urubu caiu perto do Taffarel, de quem eu sempre fui fã. Aí o Renato foi lá apanhá-lo. O meu pai já tinha contado a história de quando jogaram o urubu no campo pela primeira vez. O Flamengo não ganhava há muito tempo do Botafogo, e naquele dia venceu. Como na final do Brasileiro - afirmou, com autoridade de conhecer a história do clube.

O triunfo lembrado por Christine aconteceu em 1º de junho de 1969, em partida válida pelo Campeonato Carioca. O Flamengo não vencia o rival havia quatro anos, e saiu de campo com vitória por 2 a 1, gols de Arílson e Doval, com Paulo César Caju marcando pelo Alvinegro. Isso foi bem antes de a atriz nascer e viver ao lado do pai, no Maracanã, as belas tardes de domingo, como a de 13 de dezembro de 1987, apesar da chuva que caiu na cidade.

Naquela semana, inclusive, Christine, que já estudava nos EUA, voltou ao Brasil e fez questão de matar as saudades da família, do futebol e do clube do coração. O gol de Bebeto, aos 16 minutos do primeiro tempo, em passe preciso de Andrade, deixou o Flamengo, que empatara a primeira partida da final no Beira-Rio por 1 a 1, com domínio total da situação logo no início.

No segundo tempo, a equipe, treinada por Carlinhos e comandada em campo por Zico, que acabou substituído no fim e saiu ovacionado pela torcida, soube administrar o resultado e deu à atriz mais uma de tantas alegrias às vezes interrompidas pelas viagens desde quando se tornou modelo, antes de seguir a carreira atual.

- Em qualquer lugar que esteja, sempre procuro acompanhar. E aquele time era fantástico. Tinha Zico, Bebeto, Renato, Leandro, Andrade, Leonardo... O Zé Carlos no gol... O Edinho era do Flamengo! Adorava o Edinho... - lembrou Christine, que hoje não tem a companhia do pai para ver as partidas.

Seu Antônio agora acompanha só pela TV. Christine, a filha mais velha de uma família rubro-negra, vai ao estádio com o marido, o ator Floriano Peixoto, e o filho, Pedro, de sete anos. Ambos rubro-negros. O garoto, inclusive, dá os primeiros passos na escolinha rubro-negra. Como todo menino louco por futebol, sonha ser craque e busca inspiração em Messi, camisa 10 argentino que joga no Barcelona. O número da camisa e a posição são os mesmos do ídolo da mãe, desde menina encantada pelo Flamengo. E por Zico.

- Comecei a ir ao Maracanã com cinco, seis anos. Eu e meu pai íamos sempre de cadeiras especiais, que meu tio, tricolor, nos emprestava. Lembro quando saí do elevador do Maracanã, cheguei ali nas cadeiras e dei de cara com a torcida. Aquelas bandeiras, aquele colorido todo... A torcida do Flamengo causa um grande impacto. E aquela geração do Zico, do Junior, Adílio, Nunes, Mozer, Leandro, era especial. Conquistou tudo. Hoje, quando vejo o Zico me seguindo no Twitter, nem acredito - afirmou Christine, que logo em seguida fez questão de mostrar em sua máquina fotográfica foto posada de tiete ao lado do Galinho.

Outra partida lembrada pela atriz, cuja última novela em que trabalhou foi "Viver a vida", de Manoel Carlos, foi a goleada de 6 a 0 sobre o Botafogo, em 1981, pouco antes da avalanche de conquistas naquele ano - o time ganhou Carioca, Libertadores e Mundial de Clubes em menos de um mês.

- Dos gols eu me recordo vagamente. A imagem que mais me marcou foi uma entrevista com o Tita, contando que estava no Maracanã quando o Flamengo levou de 6 do Botafogo (em 1972) e, ainda juvenil, sonhava um dia dar esse troco. E naquele dia conseguiu. Isso para quem já foi atleta, como eu, acaba marcando. Sempre temos essa ideia na cabeça, de um dia podermos dar o troco.

Agora longe das quadras de vôlei e perto das câmeras de TV, Christine procura de alguma forma continuar ligada ao esporte não só como torcedora. Ataca de blogueira no Urubu News, site de uma torcida organizada rubro-negra. Uma boa saída para se aproximar de uma de suas paixões.

Flamengo 1 x 0 Internacional

Flamengo: Zé Carlos, Jorginho, Leandro, Edinho e Leonardo; Andrade, Aílton e Zico (Flávio); Renato Gaúcho, Bebeto e Zinho.
Técnico: Carlinhos.
Internacional: Taffarel, Luís Carlos Winck, Aluísio, Nenê e Paulo Roberto (Beto); Norberto, Luís Fernando e Balalo; Heider (Manu), Amarildo e Brites.
Técnico: Ênio Andrade.
Gol: Bebeto, aos 16 minutos do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Edinho (Flamengo) e Aluísio (Internacional).
Local: Maracanã. Data: 13/12/1987. Competição: Copa União (final). Árbitro: José de Assis Aragão. Renda: Cz$ 20.452.800. Público: 91.034.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2011/01/meu-jogo-inesquecivel-emocoes-de-christine-fernandes-no-fla-de-1987.html

Revelação: 'Flamengo é sonho antigo de Ronaldinho'


Grupo Revelação revela o desejo do craque (Crédito: Rodrigo Mandarini e Paulo Victor Reis)
Rodrigo Mandarini e Paulo Victor Reis, do Mais

O sonho de Ronaldinho Gaúcho jogar pelo Flamengo é antigo. Quem garante são os amigos sambistas do grupo "Revelação". De acordo com o flamenguista Rogerinho, que toca tantã, o craque manifestou o interesse em atuar pelo Rubro-Negro quando ainda defendia o Barcelona.

- Uma vez estávamos eu, Mauro Júnior e Ronaldinho Gaúcho jantando na casa dele, em Barcelona, na Espanha. Aí o Ronaldinho falou: “Minha vontade é jogar pelo Flamengo. Não tem como parar de jogar bola e não atuar no Flamengo. Não tem como não jogar para aquela torcida”. O Mauro Júnior (vascaíno) ficou louco. É a vontade dele jogar pelo Mengão. Ele quer vir para o Flamengo - revelou.

Os integrantes do grupo estão muito entusiasmados de poder contar com o amigo mais perto, e, claro, defendendo as cores do Flamengo. O vocalista Xande de Pilares está confiante na contratação de Ronaldinho. O sambista já prometeu até fazer um samba para homenagear o craque.

- Se ele vier para o Flamengo, vou fazer um samba para ele. Aliás, já estou bolando o samba, mas ainda não tenho muita coisa em mente, porque quero arrumar uma frase de efeito. Se o Dente (Ronaldinho) vier para o Flamengo, não vai ter jeito. Vão ter milhões de crianças torcendo para o Flamengo - disse.

O único integrante do "Revelação" que parece não querer Ronaldinho no Flamengo é o vascaíno Mauro Júnior. Para ele, o craque deveria fechar com outro clube brasileiro.

Fonte: http://www.lancenet.com.br/flamengo/Revelacao-Flamengo-sonho-antigo-Ronaldinho_0_402559833.html

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Maldonado - chileno bom de bola



Maldonado em ação
Foto: Vipcomm

Claudio Andrés del Tránsito Maldonado Rivera

Biografia

Claudio Andrés del Tránsito Maldonado Rivera ( Curicó, 3 de Janeiro de 1980 - ) é um volante chileno revelado pelo Colo Colo, e que em sua carreira, colecionou passagens por São Paulo, Cruzeiro, além da Seleção Chilena, até chegar ao clube Mais Querido do Brasil, o Flamengo, em 2009.

O cabeça de área Maldonado, começou sua carreira no Colo Colo nos idos de 1997, quando tinha apenas 17 anos de idade. Rápido, porém, de ótimo vigor físico, o jogador logo chamou atenção naquele país e também fora dele.

No ano de 2000, veio a sua primeira grande chance fora do Chile, foi quando Maldonado foi contratado pelo organizado São Paulo e agradou. Sua boa fase no clube paulista fez com que logo viesse a primeira oportunidade na Seleção Chilena, e trouxe também bastante prestígio.

Ficou no Morumbi até o ano de 2003, quando era comandado pelo ex rubro-negro Oswaldo de Oliveira. Naquela temporada, o chileno que era um dos mais badalados jogadores da equipe, pediu o dobro do salário que recebia para que continuasse no São Paulo, e, diante da recusa são paulina, acabou indo para o Cruzeiro, que naquela temporada, montava um time de estrelas.

Comandado pelo flamenguista assumido Vanderlei Luxemburgo, Maldonado viveu talvez a melhor fase da sua carreira. Campeão da Copa do Brasil 2003 em cima do Flamengo e também Campeão Brasileiro, o jogador acabou se tornando referência no setor defensivo do time celeste e viu suas convocações para a sua seleção se tornarem cada vez mais frequentes.

Em 2005, ao fim do seu contrato com o Cruzeiro, e também ao fim do ano, o jogador acabou voltando ao comando de Luxa, desta vez, no Santos. No clube da Vila Belmiro, Maldonado ganhou de imediato a faixa de capitão, e em pouco tempo, em virtude da sua notória disposição e raça, ganhou também a condição de ídolo da torcida santista.

Ao final de 2006, Maldonado já era um dos jogadores mais pagos do elenco santista, e também, um dos mais cobiçados. No ínicio do ano seguinte, porém, uma contratura muscular acabou o tirando da Copa América, e chateando bastante o atleta, que passou a se dedicar ainda mais ao Santos.

No ínicio de 2008, por desejo do próprio jogador e com o passe adqurido pela quantia de U$$ 1,5 milhão (R$ 2,68 milhões), Maldonado que houvera até então disputado 84 jogos, marcado um gol e conquistado o bicampeonato paulista em 2006 e 2007, optou por seguir para o futebol turco, a fim de defender o Fenerbahçe, que na época era dirigido pelo ídolo maior rubro-negro, Zico.

No Fener, Maldonado recebeu a camisa de número 33, e ganhou status de salvador da pátria. Entretanto, em meados do ano, uma lesão no púbis acabou comprometendo as atuações do volante, que passou por um longo período de recuperação.

Insatisfeito na Turquia, desde o período da sua contusão, o jogador teve sua contratação cogitada pelo Palmeiras então treinado pelo amigo Vanderlei Luxemburgo no ínicio de 2009, no entanto, entraves burocráticos acabaram afastando o atleta do Palestra Itália.

Apesar disso, ainda em 2009, mais precisamente em Julho, Maldonado conseguiu uma liberação amigável e se desligou do Fenerbahçe, passando então a ouvir as mais diversas propostas, entre elas, aquela do time Mais Querido do Brasil, o Flamengo.

Numa negociação que ocorreu discretamente, Maldonado chegou á Gávea em agosto de 2009, para assumir a posição de xerife do grupo rubro-negro, que aliás, houvera perdido um semestre antes, Fábio Luciano, capitão do time. A estrela do chileno brilhou, e Maldonado se tornou o Carregador de Pianos do sratch rubro-negro na campanha do Campeonato Brasileiro 2009.

O esforço de Maldonado á frente da defesa do Fla fez com que o atleta tivesse seu trabalho reconhecido e retornasse á Seleção do seu país. O que era para ter sido um momento de êxtase, no entanto, acabou se tornando um drama. É que no amistoso em que celebrava seu retorno á seleção do Chile, o jogador se machucou e viu-se obrigado a ficar de fora das últimas partidas do Brasileirão faturado pelo Fla.

Dados
Nome Completo: Claudio Andrés del Tránsito Maldonado Rivera
Data de Nascimento: 3 de Janeiro de 1980(3-Predefinição:Pad2digit-Predefinição:Pad2digit) (31 anos)
Local de Nascimento: Curicó (Chile)
Posição: Volante
Altura: 1,74 m
Peso: 74 Kg
1° jogo: 29/08/2009 (Flamengo 3 x 0 Santo André)


Histórico
Anos Time
1997-2000 Colo Colo
2000-2003 São Paulo
2003-2005 Cruzeiro
2006-2007 Santos
2008-2009 Fenerbahçe
2009-2010 Flamengo
2000-2009 Seleção Chilena

Títulos

Pelo Flamengo

Campeonato Brasileiro: 2009

Por Outros Clubes

Colo Colo

Campeonato Chileno: 1998

São Paulo

Campeonato Paulista: 2000, 2002

Cruzeiro

Campeonato Mineiro: 2003, 2004
Copa do Brasil: 2003
Campeonato Brasileiro: 2003

Santos

Campeonato Paulista: 2006, 2007

Estatísticas
Ano Jogos Gols Marcados Assistências Cartão Amarelo Cartão Vermelho
2009 12(1) 1 0 2 0
2010 22(6) 0 0 1 1
Total 41 1 0 3 1

Retirado de "http://www.flamengo.com.br/flapedia/Claudio_Andr%C3%A9s_del_Tr%C3%A1nsito_Maldonado_Rivera"

O novo candidato a maestro do Fla para 2011


Bottinelli exibe a camisa do Flamengo: enganche

Quem é Darío Bottinelli, contratação do Flamengo pensando em 2011? Para decifrar em detalhes este (mais um) hermano que se candidata a repetir o sucesso de Conca, no Vasco e depois Fluminense, e Montillo, pelo Cruzeiro, convidamos Renato Zanata Arnos, nosso especialista em futebol argentino. A exemplo desses dois compatriotas, o agora rubro-negro vinha se destacando no Chile. Leia, clique e veja para saber mais sobre Bottinelli.

Por Renato Zanata Arnos

Darío Bottinelli, assim como Maxi Biancucchi e o saudoso Narciso Doval, foi formado na cantera del Ciclón, ou seja, nas divisões de base do San Lorenzo de Almagro. Com 24 anos recém completados, o argentino é um meia de criação que chega ao Flamengo com a incumbência de pensar o jogo e criar as tramas ofensivas, algo raro por aqui.

No San Lorenzo, El Pollo (frango em português) deu seus primeiros passos como jogador profissional, aos 17 anos, pelas mãos de Héctor Bambino Viera, treinador que o lançou no time principal. Depois, com Gustavo Alfaro, seguiu desenvolvendo seu futebol. Em 2006, atuou como enganche titular num 4-3-1-2, com o meio-campo em losango.

Naquel ano, no empate em 1 a 1 com o Vélez Sarsfield, foi titular, enquanto Walter Montillo aparecia entre os reservas. O hoje cruzeirense também surgiu nas divisões inferiores do San Lorenzo, na mesma época de Bottinelli, que o teria consultado antes de fechar oficialmente com o Flamengo.

Sob a batuta do treinador Oscar Ruggeri, zagueiro campeão do mundo em 1986, Bottinelli foi banco de Pablo Barrientos, outro enganche revelado pelo Ciclón, e que acaba de fechar com o Estudiantes. No San Lorenzo, treinado por Ramón Diaz e ao lado de Gastón Gata Fernández e Ezequiel Lavezzi, o novo rubro-negro conquistou o Clausura 2007 —atuou em quatro das 19 partidas do torneio.

Em seguida, teve uma rápida e apagada passagem pelo Racing Club, até ser emprestado no primeiro semestre de 2008 para a Universidad Católica. No Chile, se destacou na Libertadores, despertou o interesse do Atlas de Guadalajara, clube mexicano que comprou seu passe ao San Lorenzo.

No segundo semestre de 2010, Bottinelli retornou ao Chile para atuar novamente na Universidad Católica, treinada então, por Juan Antonio Pizzi. O argentino foi importante para Los Cruzados na conquista do título nacional, destacando-se no 4-2-3-1 como meia, aberto pela esquerda. Lá fazia a diagonal em direção a área para buscar o drible, a tabela, servir os atacantes ou arrematar em gol.

Revi três partidas da Libertadores 2008 nas quais atuou este enganche argentino pela Universidad Católica (América do México 2 x 1; 1 x 2 River Plate e River Plate 2 x 0). Assim, constatei o perfil técnico-tático de Darío Bottinelli.

Atuando dentro do contexto tático identificado como 4-4-2 (mais precisamente um 4-3-1-2), com o meio-campo em losango, Bottinelli tinha muita liberdade de movimentação. E apresentou o perfil de um autêntico enganche, ou seja, um meia de criação.

Bottinelli em ação pelo Atlas, do México: lá ele era o camisa 10
Posicionado a partir do círculo central, sempre marcado de perto por dois, três adversários, jogava usualmente a dois toques, e com boa qualidade na perna direita para conduzir a bola em velocidade. Dribles, passes curtos, longos, objetivos, verticais ou diagonais formavam seu jogo, além do arremate de fora da área.

O argentino não demonstrou medo em arriscar chutes de média e longa distância, principalmente próximo a meia-lua. Clareou para bater, e ele chutava, inclusive com a canhota, que não é a boa. Sem a bola, Bottinelli se apresentava em sua intermediária defensiva para cercar o adversário de posse da pelota e servir como opção para ao receber o segundo passe.

O camisa 18 da Gávea gosta de ditar o ritmo da equipe, virando jogo ou executando passes laterais de desafogo à procura dos companheiros livres de marcação. Seus passes diagonais tinham, em geral, o endereço do lateral esquerdo Pérez, quando este subia ao ataque.

Já a saída de bola da Universidad ficava por contra do muito bom volante central, Jorge El Patrón Ormeño. Bottinelli confirmou a fama de bom batedor de faltas pela esquerda. Das quatro cobranças que executou nestes três jogos, duas geraram gols (um deles, contra o River Plate, mal anulado) e uma outra obrigou o goleiro Carrizo a executar difícil defesa.

Um torcedor do Flamengo, Adriano Lima, já até criou um site em homenagem ao Pollo. Vejamos se, em campo, ele corresponderá.

Renato Zanata La Bruja Arnos, niteroiense, 44 anos, formado em História, blogueiro, pesquisador e analista tático do futebol argentino.

Fonte: http://www.espn.com.br/maurocezarpereira/post/167954_VIDEOS+CONHECA+O+NOVO+CANDIDATO+A+CONCA+OU+MONTILLO+DO+FLA+PARA+2011